Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Mutação em gene humano pode agravar os sintomas da Covid-19

Estudo revela que alteração no gene APOE aumenta em 129% o risco de desenvolver forma severa da doença

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 29 Maio 2020, 09h56 - Publicado em 27 Maio 2020, 15h45

Estudo revela que alteração no gene APOE aumenta em 129% o risco de desenvolver forma severa da doença; descoberta pode ajudar a elucidar o grande mistério do coronavírus: por que ele deixa algumas pessoas muito doentes, e outras não?

A Covid-19 é mais agressiva, e mais letal, em pessoas idosas e portadoras de doenças crônicas, como diabetes, cardiopatias e pressão alta. E ataca mais os homens do que as mulheres. Isso é o que mostram as estatísticas. Mas também não é garantia de nada. Nos últimos meses, surgiram diversos casos de pacientes jovens e sem comorbidades que desenvolveram quadros gravíssimos da doença. Também se multiplicaram os relatos de casais e famílias em que uma pessoa teve sintomas fortes de Covid-19, mas o cônjuge ou os parentes que moram na mesma casa não. 

Essa é a característica mais misteriosa da pandemia. Por que o Sars-CoV-2 é violento com algumas pessoas, e brando com outras? Nos últimos meses, surgiram várias teorias para tentar explicar isso, como diferenças nos níveis da enzima ACE2, que o vírus usa para penetrar nas células (e são mais altos em homens), exposição prévia a outros coronavírus, danos causados pelo Sars-CoV-2 em outros órgãos além do pulmão e até síndromes causadas pelo descontrole do sistema imunológico. São explicações parciais, que não se aplicam a todos os casos.  

Mas, agora, um estudo que avaliou centenas de milhares de pessoas apresenta uma pista mais abrangente: a agressividade da Covid-19 pode estar relacionada a uma mutação no gene humano APOE. Esse gene coordena a produção de lipoproteínas (partículas que transportam colesterol e outros tipos de gordura) no organismo, e existe em três alelos (versões): “e2”, “e3” e “e4”. A mais comum é a e3, que 70% das pessoas possuem. A versão e4 causa inflamação crônica em vários órgãos, inclusive no cérebro – quem carrega esse alelo no organismo tem 14 vezes mais chance de desenvolver algum tipo de demência.  

E também, eis a novidade, o dobro de risco de desenvolver um caso grave de Covid-19. Foi o que constataram pesquisadores da Universidade de Exeter e da Universidade de Connecticut, que analisaram informações do UK Biobank: uma base que reune informações genéticas e de saúde de 500 mil ingleses, com idades entre 48 e 86 anos. Desses, 383 mil foram selecionados para análise (porque eram todos de origem europeia, reduzindo a possível influência de fatores étnicos sobre o vírus). 

Continua após a publicidade

O DNA dessas pessoas foi cruzado com os registros de hospitalização por Covid-19 entre 16 de março e 26 de abril. Os cientistas descobriram que 622 pessoas do grupo haviam sido internadas com a doença. Entre elas, havia proporcionalmente mais indivíduos com o gene e4. Bem mais: quem tinha esse gene apresentava 129% mais risco de internação por Covid-19 (com 410 casos a cada 100 mil habitantes, contra 179 casos a cada 100 mil habitantes para os portadores do alelo e3).  

Os cientistas procuraram anular as demais diferenças entre os dois grupos (compararam pessoas de mesma faixa etária e sexo e com ou sem as mesmas doenças crônicas), deixando apenas o gene como variável. E chegaram à seguinte conclusão: “O alelo e4 do gene APOE aumenta o risco de Covid-19 severa, independentemente de condições preexistentes”, diz o estudo, que foi publicado no Journal of Gerontology: Medical Sciences e teve revisão por pares (peer review). 

O estudo mostra uma associação estatística entre o alelo e4 e casos graves de Covid-19, mas o mecanismo biológico envolvido, se houver, ainda é desconhecido. Segundo os autores, uma possível explicação estaria nas lipoproteínas, que têm o poder de interferir com a resposta imunológica e com a replicação de vários tipos de vírus

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.