Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Nova versão do iOS vai ter “botão antipolícia”

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 17 ago 2017, 16h11 - Publicado em 17 ago 2017, 15h17

A novidade foi descoberta na versão beta do iOS 11, e permite desligar rapidamente o sensor de impressões digitais do iPhone. É só apertar cinco vezes o botão Power, e aí aparece um menu com as seguintes opções: telefonar para o número de emergência (que nos EUA é 911) ou desabilitar o Touch ID – ele deixa de funcionar, e para acessar o iPhone você tem de digitar a senha numérica previamente cadastrada no aparelho.

Nos EUA, a polícia tem o poder de confiscar, e abrir, o celular de pessoas suspeitas. Mas ela tem abusado desse poder – em março, 100 participantes de uma marcha contra o presidente Donald Trump tiveram os telefones confiscados e abertos pela polícia, mesmo sem ter cometido nenhum crime. Houve vários casos assim pelo país, inclusive em aeroportos – onde até cidadãos americanos têm sido forçados a destravar seus celulares e entregá-los para as autoridades.

O recurso do iOS tira proveito de uma brecha na lei americana. A polícia pode pegar a sua mão à força e encostar o seu dedo no celular para destravá-lo com a impressão digital; mas não pode obrigar você a revelar suas senhas. A ideia é que, caso se vejam em situação de risco, os donos de iPhone possam desativar o Touch ID de forma rápida e discreta (até o iOS 10, para fazer isso era necessário entrar nas configurações do sistema e reiniciar o celular, o que os policiais teriam mais chances de perceber).

Não é certo que a função vá estar presente na versão final do iOS 11, que será liberada nas próximas semanas. Mas é provável que sim: o governo Trump tem endurecido as tentativas de vigilância eletrônica contra opositores, o que é malvisto no Vale do Silício. Nesta semana, exigiu os endereços IP (número que identifica cada computador ligado à rede) de 1,3 milhão de pessoas – só porque elas acessaram o site disruptj20.org, que foi criado para organizar protestos na posse do presidente, dia 20 de janeiro.

LEIA TAMBÉM: Erro do FBI travou iPhone de terrorista; entenda briga dos EUA com a Apple

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.