Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Ozempic já afeta vendas de comida nos EUA

Usuários do medicamento reduzem consumo de doces e guloseimas; indústria detecta fenômeno e prepara novos produtos

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
8 jun 2024, 10h00

Nos EUA, 1 em cada 8 adultos já tomou ou está tomando um “agonista de receptor de GLP-1” – uma categoria de medicamentos, liderada pelo Ozempic, que foi desenvolvida para tratar diabetes mas acabou se mostrando eficaz para perda de peso. O Ozempic é um fenômeno global de vendas, e transformou o laboratório dinamarquês Novo Nordisk, seu fabricante, na empresa mais valiosa da Europa. Agora, ele começa a afetar outros setores econômicos – como a indústria de alimentos. 

Segundo uma pesquisa feita pelo banco de investimentos Morgan Stanley, mais de 60% das pessoas que estão tomando Ozempic e similares reduziram ou cessaram seu consumo de alimentos como doces e sorvetes. O fenômeno foi percebido pela indústria alimentícia, que já discute estratégias para o futuro.  

Essa classe de medicamentos reproduz a ação do GLP-1, um hormônio que é produzido naturalmente pelo organismo depois que comemos e tem uma série de efeitos sobre o corpo, entre eles a redução do apetite. 

Logo depois de liberar o GLP-1 natural, o organismo também faz outra coisa: produz dipeptil peptidase-4, uma enzima que inativa esse hormônio. Por isso, a meia-vida do GLP-1 é de apenas 120 segundos (dois minutos depois que ele é liberado, metade já sumiu). 

Continua após a publicidade

Já com o GLP-1 sintético, a coisa é completamente diferente. Ele é resistente a essa enzima, e por isso dura muito mais: a meia-vida da semaglutida, princípio ativo do Ozempic, é de sete dias. É por isso que esse remédio e seus similares reduzem o apetite, e levam à perda de peso. 

Nos EUA, a indústria de alimentos e suplementos já tenta pegar carona na popularidade desses medicamentos. Está se tornando comum, nas farmácias americanas, ver seções de produtos dedicadas a quem está tomando um GLP-1, como vitaminas. 

Continua após a publicidade

E a multinacional Nestlé anunciou uma nova linha de alimentos congelados, a Vital Pursuit (“busca vital”, em inglês), que contém mais proteínas e fibras e vem em porções menores – para atender o menor apetite de quem está tomando os remédios. Será lançada nos EUA no terceiro trimestre deste ano. 

No Brasil, onde o Ozempic já é o maior faturamento da indústria farmacêutica, o consumo dos remédios GLP-1 poderá crescer ainda mais a partir de 2026, quando a patente da Novo Nordisk deverá terminar – e chegarão ao mercado as primeiras vesões genéricas. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.