Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Reator de fusão nuclear consegue produzir mais energia do que consome

Governo dos EUA deve anunciar nesta terça a proeza, que a ciência persegue há décadas - e representa o primeiro passo para transformar a fusão em uma fonte de energia limpa e quase infinita, que poderia mudar o mundo

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 dez 2022, 17h17 - Publicado em 12 dez 2022, 18h44

Governo dos EUA anunciou nesta terça a proeza, que a ciência persegue há décadas – e representa o primeiro passo para transformar a fusão em uma fonte de energia limpa e quase infinita, que poderia mudar o mundo

O Lawrence Livermore National Lab (LLNL), um centro de pesquisas que desenvolveu as bombas atômicas dos EUA durante a Guerra Fria, agora conseguiu alcançar outro marco: fazer um reator de fusão nuclear gerar mais energia do que ele consome para funcionar.

Um reator experimental do Lawrence Livermore produziu o equivalente a 3,15 megajoules de energia: 53% a mais do que os 2,05 megajoules que ele gastou para realizar a fusão. Em 2018 e 2021, o laboratório já havia conseguido gerar energia excedente a partir da fusão, mas em quantidades irrisórias e/ou por períodos extremamente curtos, da ordem de 150 picossegundos (1 picossegundo equivale a 0,000000000001 segundo). 

A energia gerada agora, 1,1 megajoule, equivale a 306 watts/hora – daria para alimentar uma televisão de 55 polegadas e um PlayStation 5. Ou seja, não é muito: foi um teste em escala bem reduzida. Mas mostra que a tecnologia realmente pode funcionar, e por isso o feito está sendo considerado um marco histórico – tanto que nesta terça-feira (13) o Department of Energy, do governo americano, realizou um evento para anunciá-lo (transmitido, a partir do meio-dia, pelo site www.energy.gov/livestream). 

Dominar a fusão nuclear é algo extremamente difícil, que a ciência persegue há décadas sem sucesso. Tanto é assim que os físicos até criaram uma piada: “A fusão nuclear é a energia do futuro. E sempre vai ser”. Sempre vai ser, no caso, significa que ela nunca se tornará viável. Não é fácil iniciar, controlar e manter a fusão, pois ela requer temperaturas altíssimas, de até 100 milhões de graus Celsius.

Mas, piadinhas à parte, ela vem dando passos importantes. Este ano, o LLNL anunciou ter alcançado a chamada “ignição”, em que o reator consegue sustentar as reações de fusão sem precisar de energia externa. E o ITER (International Thermonuclear Experimental Reactor), um projeto conjunto entre EUA, Europa, Rússia e China que está em construção há 15 anos, finalmente deve ficar pronto em 2025.

Continua após a publicidade

Os reatores de fusão costumam usar deutério e trítio, dois isótopos (variações) do hidrogênio. Você coloca os dois dentro do reator e bombardeia com eletricidade (o reator do LLNL usa lasers, mas o princípio é similar). Com isso, eles se transformam em plasma – um gás eletrificado, que reage a campos magnéticos. O reator usa ímãs para segurar esse plasma, e a pressão dentro dele vai aumentando, até que o deutério e o trítio se fundem.

Quando isso acontece, há liberação de energia na forma de calor – que você então usa para ferver água, cujo vapor movimenta uma turbina, gerando eletricidade. Explicamos melhor o processo na reportagem “A corrida maluca da fusão nuclear”, publicada pela Super em 2019. A “corrida maluca” do título, aliás, é porque também dá para fazer a fusão na garagem de casa, algo que hobbistas, curiosos e apaixonados por ciência já conseguiram – contamos alguns casos na matéria. 

O problema, seja em reatores caseiros ou nos laboratórios de pesquisa, é que você gasta energia para gerar e confinar o plasma. E é uma quantidade maior do que o reator produz, na forma de calor. Ou seja, ele tem rendimento negativo – logo, não serve para gerar energia. Foi esse obstáculo que, agora, o Lawrence Livermore conseguiu superar.  

A fusão nuclear promete resolver todos os problemas da fissão, que é usada hoje nas usinas nucleares. Os reatores de fissão usam substâncias relativamente exóticas, como urânio enriquecido, precisam de refrigeração constante (se o fluxo de água parar, o núcleo do reator pode derreter), e geram dejetos radioativos, que têm de ser armazenados com cuidado. 

(Estevan Silveira / Carol Malavolta/Superinteressante)

Já a fusão usa materiais abundantes – o deutério, seu principal ingrediente, está presente na água do mar. Um litro de água salgada poderia gerar energia equivalente a 300 litros de gasolina (e o outro ingrediente da fusão, o trítio, é produzido dentro do próprio reator, a partir do lítio).

O reator também é considerado mais fácil de controlar em situações anormais: se houver algum problema, a fusão tende a parar sozinha (não é como a fissão, que pode continuar de forma descontrolada, gerando calor suficiente para derreter o reator). 

E a fusão não gera lixo radioativo. Seus únicos subprodutos são gás hélio, que é inofensivo, e nêutrons (partículas subatômicas que são absorvidas pelas paredes do próprio reator).

Ela é limpa, praticamente infinita – e, ao contrário das energias eólica e solar, não está sujeita a variações climáticas. Se um dia se tornar comercialmente viável, poderá substituir totalmente os combustíveis fósseis, resolvendo o problema das emissões de CO2 e do aquecimento global. 

Em suma: no papel, a fusão é a fonte de energia ideal. Devemos nossa vida a ela, inclusive – o Sol usa a fusão nuclear para gerar calor. Mas explorá-la aqui, na Terra, é um dos maiores desafios que a humanidade já enfrentou.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.