Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Conta Outra

Por Blog
Histórias esquecidas sobre os assuntos mais quentes do dia a dia. Por Felipe van Deursen, autor do livro "3 Mil Anos de Guerra"
Continua após publicidade

Antes do carro, o caos das grandes cidades era o cavalo

Não é de hoje que os meios como as pessoas vão para cá e para lá mexem em planos urbanísticos. A Nova York do início do século 20 é um ótimo exemplo disso.

Por Felipe van Deursen
Atualizado em 8 out 2019, 16h24 - Publicado em 21 out 2016, 14h56

Tráfego novecentista

Diminui a velocidade máxima em vias expressas. Aumenta. Cria pedágio urbano. Fecha avenidas aos domingos. Cria novos viadutos. Amplia avenidas. Multa. Recorre da multa. Compra uma bicicleta. Amarra a bicicleta no utilitário.

Não é de hoje que o transporte e os meios como as pessoas vão para cá e para lá mexem em planos urbanísticos e sacodem eleições. Não é mesmo. Em 1898, delegações de metrópoles do mundo todo se reuniram em Nova York para debater sobre os problemas de então, como crime, falta de recursos, infraestrutura e a poluição dos modais. Com um detalhe: o carro da época era o cavalo. E cavalo não dejeta gás carbônico e outros poluentes. Cavalo faz cocô, que além de liberar metano no ar, é, como todo mundo sabe, uma sujeira sólida, pesada e fedida.  

Era tanta bosta acumulada nas ruas de Londres, Nova York e outras metrópoles que as projeções para o século 20 eram apocalípticas. O londrino Times disse que até a década de 1940 as pilhas de esterco chegariam a 3 metros de altura. Do outro lado do Atlântico, temia-se que quem morasse ou trabalhasse até o segundo andar em Nova York estaria, em 1930, soterrado pelo material fecal.

Continua após a publicidade

Chilique? Exagero? Não muito, se sua rua fosse assim:

Haja cocô

A capital inglesa tinha 50 mil cavalos transportando pessoas todo dia. Nova York chegou a ter pelo menos 100 mil, que produziam uma média de 10 kg de fezes por dia (ou seja, um total de mil toneladas diárias). Haja cocô. Sem contar a urina, as moscas e até mesmo os cavalos mortos:

Continua após a publicidade

Quando o motor morria

Não havia um plano de descarte e tratamento decente para tamanho problema nessas metrópoles equinas. Isso em cidades que se apertavam em cortiços, favelas, quarteirões emporcalhados, calçadas engorduradas, becos abjetos. A densidade demográfica de Nova York mais que dobrou no fim do século 19. Por isso havia tanta preocupação com o acúmulo de dejetos nas vias. Em 1880, NY precisou se livrar de 15 mil carcaças.

Mas, após dias de discussão, não se chegou a conclusão alguma na conferência de 1898. Só a tecnologia e a evolução salvaram as cidades de se afundar na merda. Os bondes deram um alívio, mas foi a popularização do carro, no começo do século 20, que trouxe a solução. Em 1912, o número de automóveis ultrapassou o de cavalos em Nova York. O invento do século era enaltecido por ser “economicamente sustentável e por ter a habilidade de reduzir o tráfego”. Quem diria.

Hoje, as carruagens de NY estão restritas ao Central Park. Grupos de proteção de direitos dos animais queriam o banimento da prática.  Mas, este ano, a prefeitura decidiu limitar o tráfego equino ao parque para mantê-los afastados da poluição, justamente, do “cavalo do século 20″.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.