Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Alguém remove a lava endurecida depois que um vulcão destrói um lugar?

Pegue a pá e veja o quais são os problemas por trás dessa ideia.

Por Maria Clara Rossini
Atualizado em 17 jan 2024, 12h43 - Publicado em 29 dez 2023, 10h00

Geralmente, fica lá. A lava se solidifica e forma as rochas ígneas (também chamadas magmáticas). Removê-las seria custoso: o processo envolve máquinas pesadas e pode demorar meses para terminar. 

Com o tempo, essas rochas se tornam o próprio solo em que você pisa para não falar no fluxo piroclástico: uma maçaroca incandescente de pedra moída, cinzas e gases tóxicos que viaja a mais de 100 km/h e soterra tudo que estiver no caminho.

Além disso, é comum que o vulcão entre em erupção novamente, jogando o trabalho fora. Por exemplo: Plymouth, capital da ilha de Montserrat, foi destruída por um vulcão em 1995 e permanece abandonada. De tempos em tempos, novas erupções enterram a cidade-fantasma cada vez mais fundo.

Os solos vulcânicos jovens são férteis, então a vegetação pode se recuperar rapidamente. A limpeza só é considerada seriamente para necessidades pontuais – como liberar uma estrada. Caso o volume de lava seja muito grande, compensa mais desviar o asfalto.

Um outro motivo para deixar o derrame onde caiu é que ele pode ser útil para a pesquisa. Cientistas analisam a extensão e volume da lava para determinar o quanto seria arriscado habitar novamente a região no futuro.

Por fim, locais que passaram por grandes erupções geralmente viram pontos turísticos. É o caso da cidade de Catania, na Itália, que já foi atingida diversas vezes pelo vulcão Etna.

Continua após a publicidade

As cidades romanas de Pompeia e Herculano, congeladas no tempo pelos fluxos piroclásticos do Vesúvio, se tornaram dois dos sítios arqueológicos mais importantes do mundo. 

Compartilhe essa matéria via:

Pergunta de @portelayuri90, via Instagram

Continua após a publicidade

Fonte: Letícia Guimarães, pesquisadora em geoquímica e vulcanologia da UFBA, e sócia da Sociedade Brasileira de Geologia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.