BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Como os cientistas sabem que espécies tão diferentes, como hipopótamos e baleias, são parentes?

Das semelhanças no DNA a determinadas estruturas ósseas, os biólogos tem um arsenal de truques para remontar a árvore da vida.

Por Bruno Vaiano
17 nov 2023, 11h08

Cada descoberta é uma descoberta, então é complicado falar em um único “como”. Um critério possível é a semelhança entre os genomas: quanto mais parecida é a sequência de letrinhas de DNA de dois animais, maior o grau de parentesco deles na árvore da vida.

A diferença entre genomas também é uma medida do tempo que se passou desde que a linhagem se bifurcou: se há muitas letrinhas diferentes, é porque houve mais tempo para mutações se acumularem.

Usando esse método, chamado relógio molecular, pode-se demonstrar que o último animal que foi “avô” tanto de hipopótamos como baleias viveu há 53 milhões de anos. Depois, cada grupo de animais seguiu seu próprio caminho evolutivo. 

Também existem, é claro, os fósseis dos antepassados dos animais atuais. No Paquistão, há ossadas do mamífero Pakicetus, que é uma das baleias mais antigas: viveu no Eoceno, entre 55 e 40 milhões de anos atrás. 

Continua após a publicidade

Se parecia uma baleia? Nem um pouco. Trata-se de um quadrúpede com o tamanho de um cachorro, que vivia no litoral e nadava apenas para pescar seu alimento. Ao longo de milhões de anos, por seleção natural, o corpo dos descendentes Pakicetus se tornou cada vez mais hidrodinâmico, até adquirir a forma cilíndrica e as nadadeiras das baleias. Houve uma pressão evolutiva para torná-lo um anfíbio cada vez mais eficaz na pesca. 

“Mas Oráculo, como os paleontólogos sabem que o Pakicetus pertence à linhagem das baleias se ele parecia um cachorro?” Graças a detalhes como uma estrutura óssea chamada bula timpânica, que só existe nas baleias, e que o Pakicetus já tinha. Há muitas características anatômicas típicas de um ou outro grupo que não são óbvias vendo o animal no zoológico, mas que permitem determinar sua posição na árvore da vida – do número de dedos aos orifícios no crânio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine SUPER pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

a partir de R$ 9,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.