Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Como surgiu o gesto de joinha?

Se você viajar no tempo até a Roma Antiga, pode ser que interpretem mal o seu sinal de positivo

Por Leo Caparroz
19 jan 2023, 18h09

É difícil cravar as primeiras aparições de um sinal de comunicação não verbal. Por serem gestos triviais, do dia a dia, raramente dão as caras em registros históricos. Algumas das primeiras referências ao sinal com polegar para o alto vêm da Roma Antiga; se você já assistiu a Gladiador (2000), sabe que a direção apontada pelo dedo decidiria o destino dos combatentes da arena. Só que o filme erra nessas cenas.

Na realidade, o joinha que conhecemos hoje como um sinal positivo manifestava desaprovação na época – e era o que condenava à morte os gladiadores que perdiam seus combates. O oposto dele, de aprovação, também não era um joinha para baixo, e sim um punho fechado, com o dedão dobrado por cima. Em latim, esse gesto favorável era chamado de pollices premere, algo como “pressione os polegares”. Já o sinal de condenação era o pollice verso (“polegar virado”).

A confusão atual começou em 1872, o pintor Jean-Léon Gérôme quis retratar uma luta de gladiadores no seu quadro Pollice Verso, ele mostrou uma arena lotada com um guerreiro de pé, pisando no corpo de outro. A maioria da multidão está com o braço estendido e o polegar apontado para o chão. Aí não, Gérôme…

Continua após a publicidade

Apesar de ser conhecido por sua precisão histórica, o artista se equivocou na pintura: o certo seria retratar o joinha, o gesto negativo da época. Mas ela mostra os polegares virados para baixo.

Já o primeiro registro escrito do uso positivo está num livro de 1917: Over the Top, de Arthur Guy Empey. A obra conta as experiências de um americano que serviu no exército britânico na Primeira Guerra Mundial, e o joia é descrito como uma sinalização aos colegas querendo comunicar que estava tudo bem.

Já um exemplo no cinema estreou no filme mudo O Inquilino (1927), de Alfred Hitchcock. Ao averiguar que cédulas de dinheiro não são falsificadas, uma personagem usa os dois polegares para indicar que está tudo certo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.