Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

É verdade que a cor azul só foi percebida recentemente pela humanidade?

Não. Os olhos dos humanos da Antiguidade eram iguais aos nossos. O que muda é maneira como eles nomeavam e interpretavam as cores.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 mar 2020, 10h42 - Publicado em 19 mar 2020, 18h44

Não. Os olhos de 3 mil anos atrás eram biologicamente idênticos aos nossos. A questão é linguística: se um idioma não tem uma palavra para uma cor, os falantes a consideram um tom de outra cor. E vários povos, ao que tudo indica, não tinham naquela época – ou não têm até hoje – uma palavra para o azul. Ele é considerado um tom de verde.

Isso não é tão bizarro quanto parece. Pense na cor das canetas marca-texto (ou daquela camisa do Palmeiras). É amarelo ou verde? É comum chamá-la de verde-limão, mas ela está no meio do degradê – poderia muito bem ser amarelo-limão. Em francês, por outro lado, essa cor tem nome só para ela: chartreuse. Viu como ajuda?

Essa discussão surgiu em 1859. No último capítulo de um livro publicado nesse ano, William Ewart Gladstone – que além de linguista por hobby foi primeiro-ministro da Inglaterra quatro vezes – notou que na Odisséia, poema épico atribuído a Homero, nada era chamado pela cor que tem. O exemplo mais típico é que termo equivalente a “cor de vinho”, usado para descrever sangue, também foi aplicado a uma nuvem escura, ao mar e a bois e ovelhas. O mel, por sua vez, é considerado verde.

Gladstone levantou a hipótese de que os gregos pensavam nas cores predominantemente em termos de claro e escuro, sem levar diferenças qualitativas (como a distinção entre amarelo, azul, vermelho etc.) em consideração. Muita gente diz que ele considerava Homero daltônico, mas esse é um erro de interpretação, e que é retificado neste artigo

Eles viam as mesmas cores que nós, mas usavam o vocabulário de outra forma. Um fenômeno verificado depois em muitos outros registros escritos da Antiguidade.

Continua após a publicidade

Depois, descobriu-se uma lógica universal na criação de palavras para cores. Se uma língua só tem duas, elas são preto e branco. Com três, entra o vermelho. Com cinco, aparecem verde e amarelo. O azul está só em sexto lugar.

Pergunta de @pedroivoantunes, via Instagram

Fontes: livros How the Mind Works, Steven Pinker; Through the Language Glass, Guy Deutscher.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.