Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Remédio vencido faz mal ou só perde o efeito?

Depende do remédio, de sua forma farmacêutica – comprimido, cápsula, xarope –, das condições de armazenamento e uma série de outras variáveis.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 set 2021, 13h54 - Publicado em 6 jul 2020, 13h17

Depende do remédio, de sua forma farmacêutica – comprimido, cápsula, xarope –, das condições de armazenamento e uma série de ouras variáveis. Alguns se tornam tóxicos; outros, inativos. Não é uma boa apostar no segundo caso, por mais raro que o primeiro seja.

Isso é especialmente perigoso no caso de antibióticos, já que, em vez de matar as bactérias, eles podem torná-las mais fortes. Um grupo de bactérias expostas a uma dose insuficiente ou ineficaz de antibiótico têm a chance de evoluir por seleção natural para resistir àquele medicamento. Neste caso, mesmo que a droga vencida não seja tóxica, ela contribui para um problema de saúde pública.

Ou seja: não tome remédios vencidos. Principalmente os vendidos apenas com receita médica – que sobram na gaveta após um problema de saúde do passado e algumas pessoas usam para se automedicar irresponsavelmente depois.

Algo divertido pode acontecer com a aspirina guardada: em contato com a água, o princípio ativo, chamado ácido acetilsalicílico, se decompõe em ácido salicílico (que sem o “acetil” fica mais ácido e pode causar úlceras) e ácido acético, que é vinagre. O nome desse processo é hidrólise, e ele ocorre com muitos outros remédios expostos à umidade.

Algumas curiosidade de bônus: a humanidade consome 44 mil toneladas de aspirina por ano, o que dá aproximadamente 120 bilhões de comprimidos. A aspirina, como 80% dos remédios, têm origem natural. A salicina (que dá origem ao ácido aceltisalicílico) era extraída originalmente da casca do salgueiro. O papiro de Ebers, um manual médico escrito no Egito Antigo, há 3.500 anos, já recomendava a casca do salgueiro como um bom analgésico.

Continua após a publicidade

A substituição do ácido salicílico por ácido acetilsalicílico, com a redução correspondente de acidez, foi essencial para alcançar os parâmetros de segurança que tornam a aspirina tão comum e popular atualmente.

Pergunta de @lux_chaves, via Instagram

Fontes: Cristina Northfleet, professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP; artigo “Cyclooxygenase-3 (COX-3): Filling in the gaps toward a COX continuum?”, PNAS; livro Chemistry: An Introduction for Medical and Health Sciences, de Alan Jones.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.