Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

7 métodos de tortura usados até hoje

Por Redação Super
Atualizado em 21 dez 2016, 10h12 - Publicado em 17 fev 2011, 09h30

por Maria Gomes
COLABORAÇÃO PARA A SUPERINTERESSANTE

Em pelo menos 111 países, inclusive no Brasil, pessoas foram torturadas durante algum tipo de interrogatório em 2009, segundo relatório anual de 2010 da Anistia Internacional. Nações desenvolvidas, como EUA, Alemanha e Reino Unido, também entram nesta lista vergonhosa sob o pretexto de luta contra o terrorismo. Veja sete métodos comuns de tortura usados atualmente

Espancamento
Sem necessidade de instrumentos, é das formas de tortura mais comuns. O pior é que muitas vezes é até incentivado pela população que pede “vingança” contra algum bandido (isso quando não faz com as próprias mãos). O contratempo para o torturador são as marcas físicas evidentes que deixa, expondo a qualquer um a violência cometida. Podem ser socos, pontapés, tapas, etc. A falanga, por exemplo, é a batida repetida nos pés ou nas mãos que pode fazer a pessoa até perder a sensibilidade na região. O  relatório de 2010 da Anistia Internacional aponta que a prática ainda é utilizada em países como Brasil, África do Sul, Alemanha, Angola, Arábia Saudita,  China, Iraque, México, Síria e Irã.

Continua após a publicidade

Privação de sono
Música alta, barulho ou simplesmente perturbação constante. Vale tudo para não deixar o preso dormir por horas e horas. A ideia é esperar que a privação do sono leve a pessoa a uma confusão mental tão grande que acabe revelando informações. Isso quando não o faz ainda em consciência por não resistir mais ao esgotamento. O método ainda é utilizado em países como EUA, Arábia Saudita, Alemanha, China, Israel e Palestina, segundo o relátorio da Anisitia Internacional.

Choques elétricos
Não é coisa apenas de regimes ditatoriais, é uma prática usada ainda nos dias de hoje principalmente por deixar poucas evidências físicas. Segundo a Anistia Internacional, empresas até europeias fabricam uma espécie de algema de eletrochoque que dá descargas de até 50.000 volts para ser usada em interrogatórios, entre outros instrumentos do tipo. Os choques elétricos ainda são comuns em países como África do Sul, Rússia, Arábia Saudita, Egito, EUA, Iraque e Síria.

Pendurar pelos membros
Método ainda comumemente empregado na Turquia, EUA, Arábia Saudita, China e  Iraque, além de deixar a pessoa transtornada, a suspensão prolongada das vítimas pelos tornozelos ou pulsos pode causar danos permanentes como paralisia dos membros. Foi um dos métodos dos quais soldados americanos foram acusados de aplicar a presos no Iraque. Coincidência ou não, foi também muito usado no Vietnã contra militares dos EUA.

Continua após a publicidade

Estupro
Não apenas a violência pela simples violência, o estupro de familiares da vítima ou dela mesma é mais um meio de coerção para se conseguir informações. A violação sexual de homens e mulheres é ainda mais comum em regiões de conflito e foi considerado crime de guerra durante os confrontos nos Bálcãs e em Ruanda na década de 90, entre outros. O estupro é um métodos de tortura ainda empregado em países como Bolívia, Egito, Haiti, Indonésia, Irã, México, Congo, Guatemala e El Salvador.

Execução simulada
Consiste em aterrorizar a vítima com a ideia de que ela será morta. Em geral, com olhos vendados ou não, o preso tem uma arma colocada em sua cabeça ou boca e disparada sem munição. O barulho do gatilho é suficiente para levar a uma situação de limite de estresse. A técnica é usada ainda para simular execução de familiares e fazer a vítima acreditar que outros pagarão por seus “erros”. O relatório da Anistia Internacional aponta que a execução simulada ainda é prática comum nos EUA e Irã.

Asfixia
Assim como o choque elétrico, é comum pela ausência de vestígios depois. Ainda praticado na África do Sul, EUA e França, a asfixia pode ser provocada com saco plástico na cabeça ou com rápidos afogamentos  em toneis de água. Como a sufocação é uma das piores sensações físicas, tende a enfraquecer a vítima e a deixá-la atordoada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.