GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

A masturbação pode ser considerada um vício?

O que importa não é a quantidade de vezes que alguém se masturba, mas as emoções envolvidas.

Se ela impede que você faça uma atividade corriqueira, como se relacionar, trabalhar ou estudar, sim. “O compulsivo não necessariamente sente satisfação com a masturbação. Ele repete a prática várias vezes ao dia para tentar se livrar de uma emoção negativa, como angústia ou tensão. E, depois do orgasmo, percebe que aquilo foi momentâneo e não resolveu o problema dele. Então, recorre ao ato novamente”, afirma o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Júnior, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estudos apontam também que a tendência ao vício pode ser genética, o que explicaria por que alguns desenvolvem dependência (de sexo, masturbação, comida, álcool, drogas) e outros não. Pesquisadores acreditam que há menos receptores de dopamina no cérebro dos viciados ou que desequilíbrios químicos inibam a comunicação entre os neurônios envolvidos no processo.

O fato é que vício e prazer estão intimamente ligados, porque nascem em uma região cerebral chamada centro de recompensa: quando acionada – com sexo, masturbação, comida, álcool, drogas -, essa área libera a produção de dopamina, fazendo você querer mais e mais.

Seja como for, tocar os genitais traz benefícios extras, já que outros hormônios são produzidos. Com o estímulo, o hipotálamo mobiliza a glândula hipófise, que estimula testículos e ovários a produzirem testosterona. Ela desencadeia o desejo e estimula a produção de espermatozoides e sêmen. Na mulher, a hipófise comanda a produção de estrógeno e progesterona – moduladores da vontade de fazer sexo. A ativação das glândulas faz crescer também a presença de cortisol, que acelera o metabolismo, e a adrenalina, que turbina os batimentos cardíacos, a temperatura, a respiração, a produção de suor e a vasodilatação. A coisa vai esquentando até aparecer o orgasmo, que é uma descarga da tensão. As taxas dos hormônios voltam aos padrões normais, mas as endorfinas são aumentadas e geram a sensação de bem-estar.