Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como fazer as empresas ouvirem suas reclamações

Não perca tempo no telefone: vá direto para as redes sociais. Conheça aqui os atalhos para ser um consumidor feliz

Por Mariana Pontual Atualizado em 15 jan 2018, 21h06 - Publicado em 29 fev 2012, 22h00

Conte seu problema no Facebook

As empresas odeiam feedbacks negativos em suas páginas. Por isso, um post bem localizado no Facebook pode ser respondido em minutos. Faça um printscreen também porque, se a sua reclamação for deletada, você poderá fazer ainda mais alarde.

Grave um vídeo

Depois de reclamar pelas formas convencionais, o procurador Oswaldo Borrelli gravou um vídeo e postou no YouTube seu desabafo com uma empresa, que demorou meses para consertar sua geladeira. O vídeo viralizou e ele, enfim, ganhou uma geladeira nova.

Insista muito no Twitter

A grande vantagem do Twitter é que as empresas não têm como deletar os seus posts. Direcione a sua raiva para o @perfildacompanhia, use uma #hashtag inteligente e não pare – faça novos comentários até ter uma resposta.

Vá direto ao atendimento online

O Serviço de Atendimento ao Cliente normalmente tem 3 canais: telefone, e-mail e atendimento online (webchat). Dê uma chance ao webchat, pois os atendentes costumam ser mais bem treinados e têm mais condições de ajudar você.

Escreva para os sites de reclamação

Procure sites como o reclameaqui.com.br, que, além de publicar a queixa, notificam as empresas sobre o problema. Eles têm também rankings das companhias que mais dão dor de cabeça e demoram para responder.

Apele para o chefe

Serviços regulados pelo governo federal têm agências que fiscalizam a atuação das empresas, como a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Falar com elas pode ajudar, já que as agências podem multar e suspender a prestação do serviço da empresa.

 

Fontes: Karina Alfano, gerente de relacionamento do Idec; Felipe Lins, advogado; Renan Feracciolli, diretor de fiscalização do Procon-SP.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês