GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Filhotes de cachorro alcançam o ápice de fofura com 7 ou 8 semanas

Não é coincidência: é justamente quando eles são desmamados – e precisam começar a conseguir comida sozinhos

Cachorros são, acima de tudo, malandros: graças a milhares de anos de seleção natural e convivência com o ser humano, aprenderam a usar abanos de rabo e expressões faciais para conseguir cama, comida e cafuné à vontade. A fofura irresistível dos mascotes não diminui conforme eles envelhecem – vide este vira-lata de 21 anos que saiu na CBS –, mas pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona descobriram que o charme canino tem sim um auge: 8 semanas de idade.

O psicólogo Clive Wynne e sua equipe mostraram a 51 voluntários humanos uma sequência de fotos da infância, adolescência e juventude de três cães de raças bem diferentes: um jack russel terrier (o da foto do começo da matéria), um cane corso (que você vê no post de Instagram abaixo) e um pastor branco (que lembra muito um pastor alemão… só que é branco). Os humanos deram notas à fofura de cada imagem em uma escala que ia de 1 a 10.

Como Wynne sabia exatamente que idade tinham os três animais no momento de cada clique, bastou tirar a média e ver quando cada um alcançava a nota mais alta. O jack russel é mais atraente com 7,7 semanas de vida, o cane corso, com 6,3, o pastor branco, com 8,3.

Não é coincidência: na natureza, é mais ou menos nessa época que a mãe abandona os filhotes à própria sorte e eles precisam começar a “ganhar o pão”. O mundo tem uma população de cerca de 900 milhões de cães (aproximadamente um para cada sete habitantes), e uma parcela razoável deles não tem dono. Os cachorros cujos traços sejam considerados atraentes por seres humanos nesse momento importante da vida aumentam as próprias chances de receber ajuda ou ser adotados – o que, em longo prazo, se traduz em uma pressão darwinista para a fofura.

“Aconteceu exatamente o que eu esperava. De fato, há uma idade ideal de fofura máxima, que corresponde ao momento do desmame”, disse Wynne em um comunicado. “É claro que o estudo não quer dizer que nós paramos de amar os nossos cachorros depois de oito semanas. É só que esse é o momento em que o laço é maior, que a capacidade do animal de atrair nosso interesse é maior. Depois que eles já chamaram a atenção, porém, nós vamos amá-los pelo resto da vida.”