Clique e Assine por apenas 6,90/mês

Mexilhão que não abre nem sempre está estragado

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h54 - Publicado em 6 abr 2012, 22h00

Textos José Francisco Botelho

Todo mundo acaba jogando fora os mexilhões que não abrem depois de cozidos, por acreditar que eles certamente estão impróprios para o consumo. Não há livro de receitas, programa de TV ou chef de cozinha que deixe de recomendar esse procedimento. E sabe como é: com mariscos não se brinca, a intoxicação alimentar pode ser grave. Melhor ficar longe de mexilhões estragados.

Pois saiba que o biólogo australiano Nick Ruello já provou que isso é uma grande besteira. Depois de ferver panelas e mais panelas cheias do molusco, ele constatou que 11% dos mexilhões não se abriam de jeito nenhum. Com uma faca, Ruello destravou um por um. Comeu todos. E descobriu que nenhum deles estava estragado. Conclusão: jogar fora o mexilhão que não abre é um tremendo desperdício. “Por causa desse mito sem qualquer fundamento, cerca de 370 toneladas de mexilhão vão parar no lixo todos os anos na Austrália.”

Quando levado ao fogo para cozinhar, o mexilhão se abre porque a água fervente rompe os músculos que controlam o movimento das cascas. Em alguns casos, porém, esses músculos não só resistem à alta temperatura como se mantêm fortemente contraídos. O molusco não se abre. Mas é tão comestível quanto os outros.

Continua após a publicidade

 

 

 

Publicidade