GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Obsessão por felicidade pode deixar você extremamente infeliz

E ainda faz a gente interpretar qualquer sensação ruim como fracasso.

A felicidade é algo tão subjetivo quanto científico. Biologicamente, poderíamos falar em serotonina e ocitocina, ou outros nomes difíceis de neurotransmissores (mensageiros químicos) que estão relacionados com a existência dessa sensação. Mas psicologicamente a história é outra. Como a maioria dos sentimentos, substantivos abstratos, felicidade representa algo diferente para cada ser humano. De acordo com a “psicologia positiva”, não precisamos esperar que a felicidade dê as caras: ela está ao alcance das nossas mãos.

Mas até que ela virou uma ditadura não tão feliz assim. Essa obrigação de ser feliz não é novidade, mas ninguém realmente sabe quem primeiro cunhou essa regra – e como ela se tornou o objetivo de vida de quase todo mundo. O que se sabe é que ela vem machucando: “a depressão é o mal de uma sociedade que decidiu ser feliz a todo preço”, diz o escritor francês Pascal Bruckner no livro A Euforia Perpétua. E ele estava certo: um novo estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, finalmente concluiu que a infelicidade de muita gente é causada pela tentativa incessante de ser feliz.

A pesquisa, publicada na revista Emotion, descobriu que a “superenfatização” da felicidade, como uma pressão social, pode tornar as pessoas mais suscetíveis ao fracasso e muito mais frágeis a emoções negativas. A “regra” de procurar a todo custo emoções positivas e evitar ao máximo as negativas está aumentando significativamente o estresse a longo prazo.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas fizeram um teste: separaram três grupos de estudantes de psicologia australianos, que precisavam realizar anagramas. O primeiro grupo, A, precisava resolver 35 anagramas em 3 minutos. Os participantes não sabiam, mas, dentre os 35 anagramas, havia 15 que eram impossíveis de solucionar – ou seja, eles iriam fracassar. Os estudantes foram colocados em uma sala decorada com dezenas de cartazes motivacionais, notas coloridas, livros de auto-ajuda. O instrutor da sala falava alegremente e fez até discurso sobre a importância da felicidade antes da tarefa começar.

Enquanto isso, o grupo B precisava completar o mesmo teste, mas em uma sala absolutamente neutra. O instrutor também era neutro e não fez discursinho nenhum. Já o grupo C, diferente dos outros dois, precisava resolver apenas anagramas possíveis. A sala e o instrutor desses últimos eram como os do grupo A, felizões.

Após os grupos terminarem suas tarefas, os pesquisadores pediram que todos os alunos fizessem um exercício de respiração (quase uma meditação), durante o qual eles eram periodicamente questionados sobre seus pensamentos. Dentre todos, os estudantes do grupo A eram os mais arrasados com o fracasso. Os do grupo B, mesmo também tendo falhado, não apresentavam tanta tristeza assim. E, no grupo C, o único com possibilidade de sucesso na tarefa, também não se via desânimo.

“Quando as pessoas colocam uma grande pressão sobre si mesmas para se sentirem felizes, ou pensam que os outros ao seu redor fazem isso, elas estão mais propensas a ver suas emoções e experiências negativas como sinais de fracasso”, diz Brock Bastian, co-autor do estudo. “Isso só vai gerar mais infelicidade”.

Os cientistas concluíram que o grupo A, em um ambiente de “super felicidade”, lidou bem pior com o sentimento de fracasso que o grupo que também falhou, mas numa sala neutra. É como se eles não pudessem experimentar sentimentos negativos por estarem em um ambiente positivo. E a metáfora é levada para a vida real: a obsessão pela felicidade nos proíbe de experimentar sensações ruins. Caso aconteça, isso atesta, perante a todos, que somos infelizes.

Mas os pesquisadores não pararam por aí. Em um segundo experimento, eles perguntaram a 200 adultos americanos quantas vezes eles sentiram e pensaram em emoções negativas, bem como suas visões sobre como a sociedade percebe essas emoções. Resultado: os voluntários que disseram sentir uma pressão popular pela felicidade enfatizaram bem mais as consequências negativas. Eles alegaram ficarem estressados quando sentem emoções ruins, além de sentirem uma redução no seu bem-estar e na sua satisfação com a vida.

“O perigo de achar que devemos evitar experiências negativas é que respondemos mal a elas quando surgem”, disse o co-autor. E, querendo ou não, elas sempre surgem. No fim, o que a pesquisa constatou é que a busca incessante pela felicidade e a não aceitação da tristeza/fracasso só traz mais infelicidade. Saber lidar com as bads inevitáveis da vida pode ser o segredo para o nirvana que tanto se busca.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você