GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Pornô em slow motion existe — e está bombando

As pessoas estão pesquisando cada vez mais sobre pornô em câmera lenta

A câmera lenta faz sucesso em basicamente qualquer mídia de vídeo. O cinema mudou com as balas sem pressa de Matrix; no esporte dá para traçar as eras antes e depois replay da jogada em slow motion; agora, a tecnologia está penetrando em um cenário mais caliente — os pornôs.

Os números não mentem: existe uma tara por ver gente transando em câmera lenta. A pesquisa por “slow motion“, no site adulto Xvideos traz mais de 13 mil resultados. Os resultados latinos são ainda mais impressionantes. “Câmera lenta” traz mais de 54 mil produções. E esses números só tendem a crescer. De acordo com um levantamento feito pelo Pornhub, os vídeos com essa temática tiveram um aumento de 115% no período entre janeiro de 2013 e março de 2016. Em um levantamento ainda mais amplo, a Xhamster descobriu que atualmente são postados 70 vídeos mensais de gente em câmera lenta — volume 3.300% maior do que em 2009.

Esse boom não é à toa. O movimento está acontecendo agora porque, finalmente, as pessoas estão tendo acesso às ferramentas que permitem esse tipo de gravação. Nos dados da Xhamster, isso fica bem claro. Há duas ondas que aumentam significativamente o volume de vídeos: a primeira é em 2012, ano em que foi lançado o SloPro, aplicativo que permite diminuição na velocidade das filmagens; a segunda (e bem maior) rolou um ano depois — quando chegou às lojas o iPhone 5S, que tinha a função de gravações em slow motion.  Isso explica porque 41% das produções em slow motion fazem upload diretamente de um celular — número muito maior do que a média para o site em geral, 11%.

Mas não são só os vídeos amadores que estão se ligando nisso. Tem gente profissional entendendo que, às vezes, quanto mais lento, melhor. A Brazzers (uma das maiores produtoras adultas do mundo), por exemplo, têm produzido vídeos com câmeras de alta tecnologia feitas especificamente para o slow motion.” Essencialmente, a partir do momento que a gente consegue filmar em câmera lenta, seria burrice não tentar nem mesmo experimentar”, afirmou à Vocativ Mick M., roteirista do grupo.