Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Hawking diminuiu a data de validade da civilização. De novo

Agora são só 100 anos.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 Maio 2017, 19h20 - Publicado em 5 Maio 2017, 19h16

Em novembro do ano passado, o astrofísico britânico Stephen Hawking deu à civilização um prazo de validade exíguo: mil anos. Segundo ele, se não dermos um jeito de sair da Terra até lá, o planeta irá sucumbir sob o peso da ação humana e se tornar inabitável.

A SUPER, na época, aproveitou a ocasião para fazer uma lista com todos os outros anúncios apocalípticos do cientista, que envolvem inteligência artificial, armas autônomas e até alienígenas – quando o assunto é fim do mundo, não há imaginação mais fértil.

Agora, Hawking atualizou a previsão de 2016. E o novo valor – meros cem anos para o fim! – é a prova definitiva de que o astrofísico virou estagiário do diretor de filmes-catástrofe Roland Emmerich.

A estimativa vem junto com um novo documentário da emissora pública de rádio e TV britânica, a BBC. O programa se chamará Expedição Nova Terra, e sua descrição é tão fleumática quanto um inglês pode ser. “O professor Stephen Hawking acha que a espécie humana deverá ocupar um novo planeta em no máximo 100 anos se quiser sobreviver. Com as mudanças climáticas, quedas de asteroide iminentes, epidemias e crescimento da população, nosso planeta está cada vez mais precário.”

Continua após a publicidade

A ideia do filme é justamente discutir questões-chave para a grande migração que a humanidade, na opinião do cientista, precisará encarar quando nossa planeta virar o mundo poluído de Wall-E. Hibernação induzida para longas viagens espaciais e foguetes de plasma estão na pauta do dia. 

Hawking é exagerado, sem dúvida, mas não se limita a anunciar o apocalipse: também toma providências quando necessário. Ele já assinou uma petição que busca guiar o desenvolvimento de inteligência artificial para que ele seja benéfico para a humanidade, e tem planos, com o bilionário russo Yuri Milner, de levar sondas ao exoplaneta Proxima B em uma viagem de apenas 20 anos. Elas seriam impulsionadas por canhões laser montados aqui mesmo, na superfície da Terra. O planeta rochoso, que está na zona habitável da anã-vermelha Proxima Centauri, é o astro mais próximo da Terra com potencial para abrigar o ser humano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.