Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Toupeiras comem cocô para serem mães melhores

Não qualquer cocô, é claro: o cocô da rainha da colônia, que contém o hormônio estradiol – e transforma até a mais relapsa toupeira em uma babá dedicada do filho alheio.

Por Bruno Vaiano
26 set 2018, 15h51

Tubérculos, raízes e o próprio cocô. É esse o cardápio do rato-toupeira-pelado, um mamífero roedor que não é bem um rato, nem bem uma toupeira, e vive nas savanas áridas do leste da África. O dito cujo é notável não só pelas escolhas nutricionais – que são assim frugais pela escassez de alimento em seu habitat –, mas principalmente pela aparência: ele é feio. Muito feio. Não tem pelos, e sua pele rosa enrugada é pontuada apenas por olhos minúsculos e um par de enormes dentes.

Os ratos-toupeiras-pelados vivem em colônias subterrâneas repletas de túneis, compostas por algumas dúzias de indivíduos. Mas suas semelhanças com as formigas não param por aí: eles também tem uma hierarquia social organizada em torno de uma única fêmea (não por coincidência, chamada de “rainha”).

A rainha é a única fêmea fértil de toda a colônia – as demais são estéreis, nunca alcançam a maturidade sexual. O problema é que cada ninhada da matriarca vem com algo entre 12 e 20 filhotinhos, e ela não dá conta de amamentá-los sozinha. É preciso pedir ajuda.

É óbvio que a rainha não pode simplesmente pedir às demais fêmeas que fiquem de olho na criançada. Animais só cuidam de seus filhos por instinto. E o instinto materno é ativado por um hormônio chamado estradiol, que elas são incapazes de produzir justamente porque não ficam grávidas. O jeito é fornecer o estradiol como se fosse um remédio. E o meio de ministrar esse remédio é misturá-lo no cocô – que já é comido normalmente. Repetindo o raciocínio, só para garantir: a rainha faz cocô com estradiol, as fêmas inférteis comem essa receita exótica e se tornam mães de aluguel. Pois é.

Essa hipótese foi comprovada por pesquisadores japoneses. Eles deram cocô com e sem estradiol às fêmeas inférteis de uma colônia experimental, montada dentro de um laboratório. E verificaram que as que comiam o cocô turbinado davam muito mais atenção ao choro de filhotes do que as que ficaram com a receita tradicional. Praticamente uma lavagem cerebral, feita pelo bem do grupo da rainha. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.