Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Novelas: Feios, sujos e malvados

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h50 - Publicado em 30 abr 2005, 22h00

Clarissa Passos Garcia

Em 1976, o autor Cassiano Gabus Mendes quis fazer de Anjo Mau uma novela diferente. Ele deu vida à babá Nice, que tirava do caminho qualquer um que pudesse atrapalhar seus planos de casar com o patrão. A novidade aconteceria nos últimos capítulos: Cassiano pretendia terminar a novela com Nice atingindo seus objetivos. Ela daria um filho ao amado Rodrigo e viveria feliz para sempre. Mas a censura então vigente no país não admitiu que uma vilã se desse bem. Em nome da moral e dos bons costumes, os militares exigiram uma punição para Nice, e ela teve de morrer no parto. A babá acabou tendo o mesmo destino dos vilões de folhetim: ardeu no inferno até o fim da eternidade. E assim a história da novela brasileira seguiu seu curso. Afinal, malvado que é malvado cedo ou tarde encontra o capeta. Quer apostar?

Vlad (Ney Latorraca em Vamp, 1991)

Crime… Chefão dos vampiros de Armação dos Anjos, ele atormentava a vida de Natasha (Cláudia Ohana). Vlad queria porque queria que a rock star fosse sua noiva… e castigo: Sempre bem-humorado, o sanguessuga levou uma estaca no peito, dada pelo capitão Jonas (Reginaldo Faria). Na última cena, ainda se levantou e jurou um retorno triunfal

Zé das Medalhas (Armando Bogus em Roque Santeiro, 1985)

Continua após a publicidade

Crime… Dono de uma fábrica de artigos religiosos, oprimia a esposa e ganhava dinheiro explorando a fé que o povo de Asa Branca tinha numa mentira – a lenda de Roque Santeiro… e castigo: Sua ganância desmedida teve final apropriado: Zé esticou as canelas soterrado pelas medalhas de sua própria confecção

Leôncio Almeida (Rubens de Falco em Escrava Isaura, 1976)

Crime… Em sua obsessão pela protagonista, chegou a queimar vivos a própria esposa e o amado de Isaura, ateando fogo à cabana onde estavam … e castigo: Ao ter sua falência descoberta, ficou diante da perda de todos seus bens – incluindo aí o objeto de sua paixão. Suicidou-se antes de ser levado preso pela polícia

Odete Roitman (Beatriz Segall em Vale Tudo, 1988)

Continua após a publicidade

Crime… Mãe megera, responsável pelo alcoolismo da filha, Odete maltratava empregados porque tinha desprezo por “pobres”. Poderosa e intragável, a empresária passava por cima de todos para ficar no topo … e castigo: Foi assassinada, a tiros, mas por engano. Leila (Cássia Kiss) pensou que Odete era amante de seu marido

Perpétua (Joana Fomm em Tieta, 1989)

Crime… Entre outras safadezas, a irmã carola da prafrentex Tieta (Beth Faria) era pura inveja. Vivia censurando a cabrita, mas guardava no armário, digamos, os “despojos” do falecido marido… e castigo: Foi humilhada publicamente com a revelação do conteúdo da caixa e de outro grande segredo: a beata era careca e usava peruca

Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo em O Bem-Amado, 1973)

Continua após a publicidade

Crime… Mandava prender e soltar em Sucupira, onde era prefeito. Encomendava até morte, sonhando em inaugurar o cemitério que construiu … e castigo: Cúmulo da ironia, realizou em morte seu sonho de vida. Foi morto por Zeca Diabo (Lima Duarte), que havia sido contratado para arrumar um corpo e abrir o tal cemitério

Ravengar (Antônio Abujamra em Que Rei Sou Eu?, 1989)

Crime… O bruxo atuava nos bastidores políticos do Reino de Avilan, local deveras semelhante à República do Brasil lá pelos anos de mil-novecentos-e-José-Sarney … e castigo: O feiticeiro perdeu o poder, mas conseguiu se misturar à multidão e escapou da ira popular. Pouco depois, já tentava se infiltrar no novo governo

Marco Aurélio (Reginaldo Faria em Vale Tudo, 1988)

Continua após a publicidade

Crime… Empresário corrupto, vivia nos braços das amantes e acobertava as tramóias da patroa, Odete Roitman… e castigo: Caso raro de crápula que se safou sem prejuízos, fugiu do país antes de ser pego. E, do jatinho particular, deu uma solene banana para o Brasil-il-il

Drink no inferno

Eles não podem ficar de fora

• Laurinha Figuerôa (Glória Menezes em Rainha da Sucata, 1990) era apaixonada pelo enteado. Antes de se matar, armou para as suspeitas caírem sobre a rival Maria do Carmo (Regina Duarte)

• Alex Kundera (Cécil Thiré em Top Model, 1989) morria de inveja do irmão Gaspar (Nuno Leal Maia) e lançou no país a horrível moda de usar a ponta da gravata para dentro da calça. Imperdoável

• Felipe Barreto (Antonio Fagundes em O Dono do Mundo, 1991) apostou uma caixa de champanhe que tiraria a virgindade da noiva de um funcionário. E ganhou a parada

Continua após a publicidade

• Maria de Fátima (Glória Pires em Vale Tudo, 1988) casou para dar o golpe do baú, dormia com meio mundo e, pior de tudo, desprezava a própria mãe

• Artur da Tapitanga (Ary Fontoura em Tieta, 1989) aliciava garotinhas abandonadas – que mais tarde eram rebatizadas como “rolinhas” – para ensiná-las a “ler”

• Isadora Venturini (Silvia Pfeiffer em Meu Bem, Meu Mal, 1990) fez o sogro, Dom Lázaro (Lima Duarte), ter um derrame ao descobrir seu affair com o maior inimigo da família

• Yolanda Pratini (Joana Fomm em Dancin’ Days, 1978) moveu mundos e fundos para evitar a reconciliação da própria irmã com a filha

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.