Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Periódico Science anuncia vencedores do prêmio “Dance seu Doutorado”

Um rap sobre clusters moleculares atmosféricos e uma dança do ventre sobre plástico no oceano: os melhores vídeos científico-musicais do ano.

Por Maria Clara Rossini 5 mar 2021, 15h21

Um dos periódicos de maior prestígio do mundo é também um dos mais cômicos. Todos os anos, a Science lança o prêmio Dance your Ph.D. (“Dance seu Doutorado”), cujo título não poderia ser mais literal: os competidores devem explicar sua tese em uma performance de divulgação científica musical.

O campeão de cada categoria leva um prêmio de US$ 750 para casa, além do título de pesquisador mais descolado do ano. Este é o 13º ano seguido da competição. Ela foi ideia de John Bohannon, jornalista e ex-correspondente da Science Magazine.

O prêmio é dividido em quatro categorias: Física, Química, Biologia e Ciências Sociais. Um desses quatro premiados é escolhido como vencedor principal, e recebe outros US$ 2 mil de bonificação. O vencedor  principal deste ano foi um rap sobre clusters moleculares atmosféricos, campeão da categoria Física – que você assiste abaixo.  

Os doutorandos responsáveis por essa superprodução são Jakub Kubečka, Ivo Neefjes, e Vitus Besel, da Universidade de Helsinki, na Finlândia. Ele compuseram as rimas sobre ciências atmosféricas ao melhor estilo do canal do YouTube Epic Rap Battles of History, em que figuras históricas se degladiam fazendo flows com vocabulário de enciclopédia.

O trabalho dos três envolver explicar como moléculas chamadas “aerosois secundários”, que formam pequenos grupinhos na atmosfera, acabam gerando um acúmulo de gotículas de água em torno de si – acúmulo este que depois se tornará uma nuvem ou névoa. (Ou pelo menos isso é o que a Super foi capaz de concluir dos longos trechos da letra que grudaram na nossa cabeça.)

Isso permite aperfeiçoar a detecção de nuvens em um estágio bastante incipiente de seu nascimento – tornando a previsão do tempo mais precisa.

Continua após a publicidade

O vencedor na categoria Química foi Mikael Minier, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Ele explica seu doutorado por meio de um estilo chamado “animation dance”, com movimentos robóticos. Na performance, ele interpreta elementos químicos para deixar o tema um pouco mais palatável.

A vencedora em Biologia produziu uma performance de dança do ventre que representa a degradação do plástico no oceano. O doutorado de Fanon Julienne, da Universidade Le Mans, analisa a influência do ambiente no tamanho e formato dos fragmentos de plástico.

A pesquisa vencedora em Ciências Sociais fala sobre os benefícios de se usar performances em aulas com crianças que falam línguas diferentes. O vídeo, então, não poderia deixar de ter os pequenos. A pesquisadora Magdalena Dorner-Pau, da Universidade de Graz, chamou seus dois filhos para ajudar a explicar o estudo.

Neste ano, a Science abriu ainda uma categoria especial para estudos sobre a Covid-19. Quem venceu foi a bailarina-cientista Heather Masson-Forsythe, da Universidade de Oregon, que pesquisa drogas para bloquear a replicação viral do Sars-Cov-2. Na dança, ela interpreta as proteínas e usa um lenço vermelho para representar o material genético do vírus.

Continua após a publicidade
Publicidade