Clique e assine a partir de 8,90/mês

Playlist: 4 coisas legais para ver e ler no mês de maio

Como um nerd virou Elton John, o livro que prova a Teoria da Evolução, Dom Quixote no mundo moderno e a louca vida de Richard Feynman: criador da bomba atômica e exímio arrombador de cofres (inclusive o do Projeto Manhattan)

Por Bruno Garattoni - 23 abr 2019, 18h06

O nome dele não é Elton

É Reginald Dwight. Mas, aos 21 anos, o menino nerd que estudou piano clássico se reinventou como “Elton John”: um astro pop de roupas exuberantes, músicas irresistíveis e vida extravagante – que quase terminou antes do tempo por causa de problemas com drogas. O filme segue a mesma linha do megassucesso Bohemian Rhapsody, sobre Freddie Mercury (tem até o mesmo diretor: o inglês Dexter Fletcher, que assumiu Bohemian após o afastamento de Bryan Singer).
Rocketman. Estreia nos cinemas dia 30/5.

***

Continua após a publicidade
Reprodução/Divulgação

Um filme quase impossível

Em 1989, o diretor Terry Gilliam resolveu adaptar a história de Dom Quixote para o cinema. Só terminou agora, depois de 30 anos e muitos percalços: sets inundados, atores doentes, brigas na Justiça. O filme, que foi aplaudido de pé no Festival de Cannes, é uma versão moderna da lenda do cavaleiro espanhol: um velhinho, Javier, põe na cabeça que é Quixote – e capaz de fazer coisas impossíveis.

O Homem que Matou Dom Quixote. Estreia nos cinemas dia 30/5.

***

Continua após a publicidade
HarperCollins/Divulgação

A seleção natural é um fato

E a teoria da Evolução, de Darwin, está mais do que comprovada. Neste livro, o jornalista Reinaldo José Lopes e o youtuber Pirula mostram isso de um jeito leve e ao mesmo tempo inquestionável – e revelam como o darwinismo, além de explicar o comportamento humano, continua a modificar o DNA da nossa espécie.
Darwin sem Frescura. R$ 44,90.

 

***

Continua após a publicidade
Intrínseca/Divulgação

“Em dez minutos, eu tinha aberto o cofre com todos os documentos secretos”,

escreve Richard Feynman, um dos criadores da bomba atômica e vencedor do Nobel de Física de 1965, nesta irreverente autobiografia – em que ele relata suas aventuras no Brasil, a palestra sobre física quântica que deu para Einstein (“minhas mãos tremiam”) e a fama que ganhou ao arrombar, por pura diversão, os arquivos do Projeto Manhattan, onde ficavam as instruções da bomba.
Só Pode Ser Brincadeira, Sr. Feynman!
R$ 59,90.

Publicidade