Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vida de repórter

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h46 - Publicado em 9 dez 2004, 22h00

Cíntia Cristina da Silva

“Estrangeiro, robusto, procura trabalho, mesmo que muito pesado e sujo, mesmo que paguem pouco.” O anúncio, de 1983, era a senha para um clássico do jornalismo investigativo, dos primeiros a alertar para uma bomba ainda não desativada na Europa: o fosso que separa europeus da massa crescente de imigrantes vindos do leste e da África.

Para escrever sobre a vida dos imigrantes turcos na Alemanha Ocidental, Günter Wallraff se tornou turco. Adotou peruca e lentes de contato pretas e passou a ignorar regras da gramática alemã.

Como Ali, sua nova identidade, recebeu soldos miseráveis. Dois anos depois lançou Cabeça de Turco. Lá está a descrição dos piores trabalhos, alojamentos inóspitos, patrões que se dirigiam aos turcos sempre com insultos. E uma lista de “aforismos” do tipo: “Seja um bom alemão: mate um turco no porão!”

• “Continuo sem saber como um imigrante engole as humilhações e o ódio cotidianos. Sei o que eles têm de suportar e até onde pode chegar o desprezo humano neste país”, escreveu Wallraff.

Continua após a publicidade

• Quando consegue um lugar à mesa do bar, Ali é chamado de carroceiro pelos freqüentadores. A garçonete o ignora. Levanta para ir o balcão e ouve: “Dê o fora daqui”.

• Ali trabalhou em sítios, no McDonald’s, na metalúrgica Thyssen e na construção civil. Com a saúde debilitada, recorreu àquilo que muitos imigrantes faziam para ganhar dinheiro quando já não podiam trabalhar: foi testar medicamentos como cobaia humana.

• Cabeça de Turco foi um sucesso provocativo para a Europa. Na França, jornalistas se disfarçaram para denunciar o racismo contra árabes. Na Dinamarca, o Parlamento criou uma comissão para investigar as condições de trabalho dos estrangeiros.

Cabeça de Turco

Günter Wallraff

Globo, 259 páginas, R$ 35

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)