GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O guia etílico de Westeros

Álcool: sem ele, o Mundo de Gelo e Fogo não seria o mesmo. Entre taças de hidromel, hippocras e vinhos dourados, as bebidas de Game of Thrones são um verdadeiro mergulho na história dos drinks da vida real.

Os vinhos dos Sete Reinos

Vinho branco

George R. R. Martin explica que  sua inspiração para os vinhos de Westeros foi a ideia de que, na Europa Medieval, onde o açúcar era raro e valioso, os vinhos mais importantes seriam os mais doces. Esse é o princípio por trás da popularidade absurda do Arbor Gold (ou dourado da Árvore), o vinho mais caro e apreciado dos Sete Reinos.

Vinho Tinto

Todo mundo tem um amigo que critica vinhos doces e prefere bebidas “mais complexas”. Em Westeros, ele seria fã de Dornish red, o tinto seco e muito aromático de Dorne. Por ser muito exótico, não agrada todo mundo, mas acabou se destacando em meio ao mar de tintos e brancos doces do continente e tem apreciadores fiéis.

1.080 menções  Quem bebe: absolutamente todo os personagens (até as crianças).

Cerveja gelada? Só no Norte

Cerveja tipo lager

Westeros como um todo é inspirada na Grã-Bretanha – e George R. R. Martin costuma se referir ao Norte como um equivalente geográfico à Escócia. Mas quando o tema é a cerveja dos nortenhos, a melhor referência do mundo real é a Alemanha. É o único lugar em Westeros onde a bebida é chamada de beer e não de ale. E não é coincidência: a cerveja que o povo do Norte bebe, sem dúvida alguma, é equivalente à lager (a mais popular no mundo real).

A diferença está no tipo de levedura usada para fermentar a cevada. Na Alemanha, as lagers antigas eram fermentadas em cavernas geladíssimas, porque esse tipo de fungo só atua no frio. E adivinha? Há referências a cavernas parecidas perto da Muralha.

Lagers fermentam entre 5 e 15 ºC – justamente dentro da temperatura média no norte de Westeros, mesmo no verão. No alto do inverno, a série deixa claro: é frio demais para pensar em cerveja. Está todo mundo mais preocupado em não morrer de fome (ou destruído por White Walkers).

49 menções  Quem bebe: Ned Stark, Robert Baratheon, Davos Seaworth, Jeor Mormont, Tyrion, Arya.

Cerveja tipo ale

É a cerveja bebida em todos os lugares que não ficam no Norte de Westeros. No mundo real, a tradição da ale (pronuncia-se êiol) nasce na Inglaterra. São cervejas fermentadas em temperaturas mais altas, com leveduras que funcionam até 24 ºC, o que bate bem com as condições do clima da parte mais sul do continente.

Ao contrário do vinho, que tem toda uma rota comercial em Westeros (leia mais abaixo), cada taberna produz sua própria cerveja. Ou seja: em Game of Thrones, só se bebe cerveja artesanal. A cerveja é sempre descrita como “tão grossa que você quase precisa mastigá-la” e com gosto forte de fermento, o que combina com as ales mais rústicas da vida real.

118 menções  Quem bebe: Tyrion, Tywin e Jaime Lannister,Theon Greyjoy, Catelyn Stark, Arya, o Cão, Ramsay, Sam e Gilly.

Hidro o quê?

Hidromel – ou mead – é a bebida clássica dos livros de fantasia: nas Crônicas de Gelo e Fogo, eles bebem. Em Senhor dos Anéis, eles bebem. E até Albus Dumbledore de Harry Potter bebe.

Mas a bebida não é exclusiva dos mundos ficcionais. Ela existe no mundo real, e era bastante popular na Europa Medieval. Também chamada de “vinho de mel”, ela é feita de uma mistura de mel com água que é deixada para fermentar com leveduras bem parecidas com as presentes na casca das uvas, responsáveis por produzir vinho. A concentração alcoólica fica entre os 10% e 20%.

62 menções Quem bebe: Tormund, Theon Greyjoy, Jon Snow, Mance Rayder, Davos Seaworth, Lysa Arryn, Sansa Stark, Petyr Mindinho Baelish.

Um personagem de Game of Thrones é um fã especial de Hidromel: Tormund Giatsbane, o Selvagem de Além da Muralha. Quando Mance Rayder, o antigo Rei-Além-da-Muralha, vai apresentá-lo a Jon Snow, Tormund faz questão de ser anunciado com todos os títulos pelos quais é conhecido: Terror dos Gigantes, Arauto, Soprador de Chifres, Quebrador de Gelo, Punho de Trovão, Esposo de Ursas, Rei do Hidromel de Solar Ruivo, Falador com os Deuses, Pai de Tropas, Bebê de Gigante.

Nem todas as origens desses títulos ficam claras na saga (outras são explicadas em excesso – a história do “bebê de gigante” constrangiu milhares de espectadores na 8ª temporada), mas atente-se, aqui, ao título de Rei do Hidromel de Solar Ruivo. Solar Ruivo, ou Ruddy Hall, é o nome do lugar onde morava com a família no extremo norte. Mas, sem ser rei de nada, ele escolheu reinar sobre um de seus maiores amores: o Hidromel.

Isso é tremendamente interessante: de onde Tormund tira hidromel? Abelhas sobrevivem ao inverno com dificuldade, graças ao calor coletivo que elas geram comprimidas ao redor da colméia. Quando a temperatura cai abaixo dos 10 graus, elas interrompem a produção de mel – se ficar muito mais frio do que isso, elas não sobrevivem. Pior: numa terra constantemente congelada, não tem flor. Onde não tem flor não tem néctar, e sem néctar abelha não faz mel. Para piorar, o fungo de fermentação do hidromel é similar ao do vinho – e não atua em frio intenso.

A única resposta possível para o mistério do Rei do Hidromel aparece muito nos livros, mas pouco na série. Selvagens que moram além da Muralha são extremamente hábeis em trocas e comércios favoráveis para o que precisam. Quando não há troca, há pilhagem. A Ilha do Urso, da Casa Mormont, é uma das regiões que costuma ser invadida por Selvagens em busca de recursos escassos – e de mulheres. O que pode ajudar a explicar outro título de Tormund… Ilha do Urso, Esposo de Ursas. Você faz as contas.

Destilados raros e drinks coagulados

O processo de destilação nunca é mencionado nos livros – e uísque e vodca definitivamente não existem no universo de Game of Thrones.

Mas não é que o processo de destilação seja completamente desconhecido. Dá para encontrar bebidas aparentemente destiladas vindas das Ilhas de Verão. Os marinheiros bebem um rum barato de lá, chamado de “rum de alcatrão negro”. Também há variedades mais delicadas, como “rum de amora” e “rum com especiarias”.

Tyrion Lannister chega a experimentar um destilado verde de Volantis em suas viagens. E a bebida mais famosa de Tyrosh, em Essos, é um conhaque (vinho destilado) feito de pera. Repare que todas essas bebidas vêm de fora de Westeros – talvez um paralelo com o fato de que, no mundo real, os alambiques para destilação nasceram no Oriente Médio.

4 menções Quem bebe: Tyrion, Samwell Tarly, Davos Seaworth.

Por outro lado, os fermentados vão além do vinho e cerveja clássicos. Além do hidromel, da cidra (suco de maçã fermentado, um favorito de Brienne de Tarth) e dos vinhos feitos de outras frutas (veja mais abaixo), as pessoas bebem nada menos que… Leite alcóolico.

É leite fermentado, mas não pense no Yakult. O leite de égua é a bebida típica dos brutais guerreiros Dothraki – um povo que idolatra seus cavalos. Já no mundo real os Hunos, guerreiros liderados pelo famoso Átila no século 4, bebiam o kumis, leite fermentado com 2% de álcool. Mais uma bela referência histórica de George R. R. Martin.

6 menções Quem bebe: Khal Drogo e os convidados de seu casamento com Daenerys.

Quem bebe o que – e onde

O Norte

Fortaleza Craster
É o lugar mais ao norte em que se faz cerveja – e ela é horrível. Toda vez que é mencionada, é comparada a xixi.

Castelo Negro
A Patrulha do Norte importa vinho ruim e barato do Sul, além de produzir a própria cerveja: fina, amarela e sem gosto. O drink oficial para aquecer os patrulheiros é vinho quente, com noz-moscada e cravos – exatamente igual ao de Festa Junina.

Winterfell
Faz frio demais para produzir uvas. O vinho consumido pelos Stark é importado do Sul. O castelo produz a própria cerveja, equivalente à lager em estilo de produção. Dois tipos são mencionados: cerveja preta forte e uma cerveja “de outono”, com cor de caramelo.

Porto Branco
A cidade é famosa por sua cerveja preta, descrita por Davos Seaworth como “Tão grossa e saborosa que um barril pode valer tanto quanto um de Arbor Gold”. Sobra pouco, porém, para exportar: os clientes locais bebem tudo.

O Sul

Terras Fluviais
Entre as Gêmeas e Correrrio fica a região mais nortenha em que sobrevivem as parreiras – mas a terra encharcada produz uvas de má qualidade. Os nobres importam vinhos e o povão bebe a cerveja da região – uma ale marrom cor de noz.

Porto Real
A capital dos Sete Reinos é extremamente infértil. Quase toda a comida e o vinho de lá vêm do Jardim Alto e da Árvore.

Jardim de Cima
A região extremamente fértil e florida bebe e exporta Hippocras, um vinho diluído em água com açúcar e especiarias – uma espécie de vinho de verão, que se opõe ao vinho quente bebido no Castelo Negro.

Ilha da Árvore (Arbor)
Aqui Martin errou: ilhas não costumam produzir bons vinhos. O Arbor, porém, é a França de Westeros. Produz os vinhos mais amados, exportados e caros do continente. Produz tintos doces, mas o carro-chefe é o Arbor Gold – tão valioso que, reza a lenda, um camponês trocaria um bebê por um barril.

Dorne
Na porção costeira e fértil de Dorne nasce o Dornish red, único vinho a competir pelo mercado do Arbor Gold. Tudo que os outros vinhos têm de doce ele tem de amargo, com toques cítricos e picantes. Geralmente é importado por nobres que querem impressionar.

Bônus: Ilhas de Verão

Produzem rum e vinho de palma, feito com a fermentação da seiva de palmeiras. É o único lugar no universo de George R. R. Martin onde é possível que exista cana de açúcar: geograficamente, as ilhas são inspiradas no Caribe – e rum, afinal, é feito de melaço de cana.

Essos

Pentos
Único lugar a produzir vinhos licorosos e de sobremesa, similares ao vinho do Porto ou xerez – que são produzidos com adição de conhaque no meio do processo de fermentação.

Norvos
Bebe-se leite fermentado de bode, chamado de nahsa, adoçado com mel.

Lys
Só Lys produz vinho realmente branco – ou seja, vinho branco fermentado sem a casca da uva. O Arbor Gold é dourado, e outros vinhos são descritos como “âmbar”. Um vinho âmbar pode ser feito com as mesmas uvas, mas ganha cor porque fermenta junto com a casca, o que não é tão comum no mundo real.

Mereen
As poucas parreiras nesta região desértica e extremamente quente produzem uvas pequenas, amargas e amarelas, e vinho de baixíssima qualidade. Para compensar, Meereen produz vinhos sem uva, feitos de damasco fermentado.

Vaes Dothraki
Os Dothraki não plantam nada – para eles, revolver a terra, mesmo que para o cultivo, é sacrilégio. Por isso, só bebem vinho se for saqueado de outras cidades. O mais comum é beberem leite fermentado – que, segundo Daenerys Targaryen, tem um cheiro azedo e é cheio de coágulos. Um drink de ricota…


Por: Ana Carolina Leonardi (texto), Carol Malavolta (design), Márcio Castro e Yasmin Ayumi (ilustrações).