Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Antigo dinheiro de pedra pode ter inspirado moedas digitais

Pesquisadores americanos encontraram semelhanças notáveis entre as modernas criptomoedas e um antigo sistema monetário com enormes discos rochosos

Por A. J. Oliveira
11 jun 2019, 19h45

Dizem que a história se repete. Um estudo recente parece reforçar essa máxima do jeito mais improvável: relacionando duas moedas que não parecem ter nada em comum. Ao menos à primeira vista. Uma investigação comparativa minuciosa sobre as moedas digitais – como o bitcoin – e um antigo sistema monetário à base de discos gigantes de pedra revelou similaridades surpreendentes.

Esse inusitado precursor das criptomoedas foi criado há séculos nas ilhas Yap, na Micronésia, que ficam a cerca de 1,3 mil quilômetros das Filipinas. Nativos chamavam a moeda de rai. Assim como o bitcoin, ela permitia ter e usar o dinheiro sem possuí-lo materialmente. Ambos os sistemas funcionam a partir de um registro comunitário que garante a segurança e a transparência coletivamente — sem nenhum banco central envolvido.

Tradições orais, pesquisas arqueológicas e relatos históricos embasaram o estudo. Os yapenses enfrentavam jornadas perigosas para conseguir seus valiosos discos de pedra: navegavam 400 quilômetros por correntes e ventos imprevisíveis a bordo de embarcações precárias. Eles viajavam até o arquipélago de Palau para extrair rochas calcárias das fartas pedreiras e cavernas que existiam no local.

Continua após a publicidade

Rais têm dimensões impressionantes: medem 2 metros de diâmetro e pesam toneladas. Antes do contato daqueles povos com os europeus, em 1783, eram os maiores objetos movidos sobre as águas do Pacífico. E por serem tão grandes, quando chegavam em Yap, as moedas não eram movimentadas de lá para cá. Mas isso não impedia que os yapenses fizessem suas transações — tudo funcionava na base do boca a boca.

Mesmo com a moedona parada no mesmo lugar como um monumento, seu valor e seus novos donos eram sempre conhecidos graças a um sistema de registro oral. Comprava-se coisas importantes na ilha através dos rais. “Eram usados para transações sociais como casamentos e resgates”, explica o arqueólogo Scott Fitzpatrick, da Universidade do Oregon, EUA, um dos autores do artigo publicado na última sexta-feira (7) no periódico Economic Anthropology.

“Cada transação era gravada na história oral que funcionava como um registro público, mantendo uma cadeia contínua de informação e prevenindo disputas de propriedade”, conta Fitzpatrick. Qualquer semelhança com o blockchain pode não ser mera coincidência. Só que, em vez do boca a boca, a verificação e o histórico das transações na rede ocorre de maneira digital e automática. Valor e posse dos bitcoins também são gerenciados coletivamente.

Continua após a publicidade

São sistemas financeiros distribuídos, essencialmente opostos ao sistema centralizado ao qual estamos acostumados, em que os bancos detêm o controle e ditam as regras. Os autores acham possível que o dinheiro dos yapenses tenha servido de inspiração para o bitcoin e todas as criptomoedas que dele derivaram. “É razoável inferir que o modelo yapense foi o ímpeto para um meio digital de fazer algo bastante similar”, afirma o arqueólogo.

“Foi isso ou um caso de evolução cultural convergente, em que duas culturas temporalmente e geograficamente distintas desenvolvem um sistema notavelmente similar, o que ainda assim seria bem intrigante.” Futuros estudos arqueológicos podem revelar mais detalhes sobre o funcionamento e o fim do antigo sistema — e talvez fornecer insights importantes para fortalecer o bitcoin. Quem diria.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.