Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

As raízes históricas da disputa territorial entre Venezuela e Guiana

Entenda a briga em torno de uma fronteira inventada por colonizadores britânicos há quase duzentos anos – e por que ela voltou à tona.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 dez 2023, 17h03 - Publicado em 13 dez 2023, 16h51

No auge da colonização do Novo Mundo pelos europeus – quando todas as potências queriam latifúndios tropicais para plantar cana-de-açúcar –, Inglaterra, Holanda e França começaram a farejar oportunidades econômicas no extremo norte da América do Sul, uma região de planalto chamada pelos indígenas de Guiana (cujo significado, em uma das línguas nativas do pedaço, é “terra de muitas águas”).  

Acontece que esse morro já era visado por duas facções: Portugal e Espanha, que haviam dividido o mundo ao meio no infame Tratado de Tordesilhas. Entre os séculos 17 e 19, em uma série de disputas diplomáticas e não tão diplomáticas assim , o mapa acabou se estabilizando com essa região dividida em cinco blocos.

No extremo oeste, um território que hoje corresponde a metade da Venezuela era a porção espanhola da Guiana. No extremo leste, ficava a Guiana Portuguesa, que hoje você chama de Amapá. E então, ensanduichados entre portugueses e espanhóis, ficaram três territórios menores: as Guianas Inglesa (hoje, só Guiana), Holandesa (o Suriname) e Francesa (que permanece com o mesmo nome). Veja o mapa.

O problema: Espanha e Inglaterra nunca concordaram sobre a fronteira entre as suas respectivas Guianas. Quando a Venezuela declarou sua independência da Espanha em 1810 e Guiana, da Inglaterra, só em 1966 , os dois países acabaram herdando essa disputa de suas ex-metrópoles. Disputa que voltou à tona com a manobra mais recente do ditador Nicolás Maduro.

De acordo com o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) venezuelano, 10,5 milhões de eleitores participaram de um plebiscito (ou referendo) sobre esse assunto no último dia 3 dezembro. 95,93% concordaram em anexar uma região chamada Essequibo, que hoje pertence à Guiana, ao território da Venezuela – e conceder cidadania e documento de identidade aos mais de 120 mil guianenses que vivem no território.

Vamos entender o caso. A Espanha criou a Capitania Geral da Venezuela, em 1777, como uma das subdivisões de seu amplo império colonial. E naquela época, ela delimitou que a capitania incluía o tal território de Essequibo. Um rio homônimo (ou seja, também chamado Essequibo) marcaria a fronteira entre as posses espanholas e as holandesas.

Mapa da América do Sul em 1831 mostrando Venezuela (antiga Guiana Espanhola), Guiana Inglesa ou Britânica, Guiana Holandesa (Suriname), Guiana Francesa e Norte do Brasil
(Norman B. Leventhal Map Center no BPL/Wikimedia Commons)

No final do século 18, os ingleses invadiram e conquistaram três pedaços da colônia holandesa: Essequibo, Demerara e Berbice. Para a Holanda, sobrou o pedacinho que hoje se chama Suriname. Nesse momento, passou a existir uma Guiana Inglesa entre a Espanhola e a Holandesa. Essa situação acabou oficializada em um tratado assinado em 1814.

Continua após a publicidade

O problema é que os britânicos determinam que o território dessa Guiana incluía a região de Essequibo uma fronteira chamada de Linha Schomburgk, nome do explorador que a traçou. E os espanhóis, que na época estavam preocupados demais com o movimento de independência que se alastrava pela América Latina, não deram atenção ao problema básico de que, bem… aquela terra era deles, em tese.

A Venezuela recém-independente passou todo o século 19 contestando o domínio britânico de Essequibo. Em 1899, para pôr um ponto final à questão, organizou-se uma reunião diplomática na França. O resultado foi um documento chamado Laudo Arbitral de Paris, que dava razão aos britânicos e deixava só uma porcentagem minúscula do território disputado com os venezuelanos.

O comitê que redigiu o laudo consistia em dois representantes da Inglaterra e dois representantes dos EUA (supostamente encarregados de defender os interesses venezuelanos). As discussões eram presididas por um russo, já que a Rússia era uma nação neutra, no papel sem motivo para dar pitaco em um problema sul-americano.

Com o passar dos anos, os historiadores foram levantando evidências de que a Inglaterra manipulou a composição do tribunal: nos bastidores, ela impediu que juízes venezuelanos defendessem o próprio país, por racismo contra os juristas mestiços sul-americanos, e escolheu um árbitro russo falsamente neutro que, na verdade, era favorável a manter boas relações entre Inglaterra e Rússia. O tribunal tinha 90 dias para trabalhar, mas chegou a uma decisão unânime em apenas seis.

Continua após a publicidade

Não há muita dúvida, entre acadêmicos, de que essa foi uma decisão enviesada e injusta. A polêmica, claro, é saber se faz sentido ou não revertê-la agora. A Guiana de hoje é uma nação independente da Inglaterra, e a pequena população de Essequibo (cerca de 125 mil pessoas) se identifica como guianense. Ninguém quer um conflito armado que seria catastrófico para a própria Venezuela, afundada num caos socioeconômico.

Culturalmente, por causa da colonização por países falantes de línguas germânicas, as Guianas não se entendem exatamente como latino-americanas, e têm costumes e culinária mais próximos dos das nações caribenhas que também foram colonizadas por França, Holanda e Inglaterra.

A questão havia permanecido adormecida por décadas até que, em 2015, a petroleira americana ExxonMobil descobriu grandes reservas de petróleo na região e anunciou sua intenção de explorá-las (há um mês, eles iniciaram as operações da terceira plataforma de petróleo na Guiana). A Venezuela, que tem uma rixa com EUA e se opõe fortemente à exploração de recursos naturais por empresas privadas, não gostou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.