GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Atlântida, o continente perdido

Místicos afirmam que a sociedade engolida pelo mar existiu de fato.

Manuela Aquíno

A origem da lenda do continente perdido está, provavelmente, nos diálogos Timeu e Crítias, do filósofo grego Platão (séculos 5 a.C. – 4 a.C.). A Atlântida de Platão seria uma vasta ilha perto do estreito de Gibraltar – ou Pilares de Hércules. Seus habitantes eram descendentes de Posêidon, o deus do mar, com uma mulher comum – cinco pares de gêmeos que receberam do pai terras igualmente divididas e a incumbência de governá-las.

Segundo os escritos de Platão, os atlantes eram regidos por leis muito justas, e sua sociedade era organizada em três classes: trabalhadores da cidade (artesãos), do campo e soldados que zelavam por todos. “A cidade servia como modelo de uma sociedade tida por Platão como perfeita, onde tudo o que era preciso para viver estava lá e não haveria necessidade de conquistar outros povos”, explica Carlos Eduardo de Oliveira, professor de filosofia antiga da Unesp. “Tanto que a cidade acaba quando seus habitantes resolvem guerrear com seus vizinhos para conquistá-los”, completa. Na lenda, Zeus castiga os habitantes por esta atitude e inunda a cidade. Isso seria uma forma de demonstrar como o modelo vigente em Atenas na época, para Platão, não seria o ideal.

A imagem de uma antiga civilização perdida no Atlântico atravessou os anos e entrou para o imaginário de pessoas que acreditam na sua existência e descrevem seus costumes e habitantes em detalhes. Em Atlântida, o Oitavo Continente, o arqueólogo Charles Berlitz relata suas buscas submarinas na suposta região de Atlântida. Para ele, o continente existiu e foi sepultado no fundo do mar por causa da instabilidade do solo oceânico do Atlântico e terremotos.

Há também quem defenda que Platão escreveu os diálogos baseado em uma sociedade real. No livro Fire in the Sea, o geólogo dinamarquês Walter Friederic defende que Atlântida foi inspirada em uma sociedade que existiu onde hoje fica a ilha de Santorini, na Grécia. Há 3500 anos havia na região a ilha de Thera, destruída por ondas gigantes e erupções vulcânicas.