GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

E se…Che tivesse criado a América Latina comunista?

Em outubro de 1967, Che foi executado na Bolívia por militares locais que queriam barrar sua guerrilha. Com ele, morria seu plano de unificar a América Latina em uma nação comunista. Se Che tivesse escapado dessa, teria uma vida dura pela frente. Como seu grupo se escondia e mantinha distância das cidades, faltava adesão das massas à causa. Che precisaria conquistar esse apoio popular gradualmente para construir sua nação.

Países como Brasil, Peru e Paraguai estavam sob regime militar. Não seria inteligente enfrentá-los de cara. Che precisaria conquistar primeiro a Bolívia, contando com o apoio que ganharia por escapar vivo do atentado. A partir daí, o lógico seria investir na conquista de países como o Chile, onde a esquerda ganhava força sob o comando de Salvador Allende. Só assim, aumentando a adesão à causa, ele conseguiria enfrentar os governos mais resistentes. Mas levaria tempo – talvez só lá pelos anos 80 ele formaria, enfim, sua imensa república.

Che seria o governante central, mas passaria a administração regional para companheiros de guerrilha. “Cada país tinha suas particularidades. Até que a América Latina passasse pela revolução, cada território teria seus líderes”, diz o historiador Luiz Bernardo Pericás, autor de dois livros sobre Che. Junto com seus representantes, Che decretaria a coletivização do trabalho e colocaria a economia desse enorme bloco nos moldes comunistas. “O Brasil e toda a nação latino-americana teriam indústrias estatais e campos de produção agrícola. Nos centros urbanos haveria espaço para a iniciativa privada, mas para pequenos comerciantes”, afirma Amir Assad, economista da UFMG.
O sonho duraria pouco. Com o fim da União Soviética em 1991, a utopia comunista estaria morta. E a república de Che possivelmente se fragmentaria, como aconteceu com as repúblicas soviéticas. Alguns países resgatariam a autonomia. Pero sin perder la ternura – e algumas cositas compartilhadas com os hermanos.

 

O Brasil pós-Guevara

Um turista que passasse por aqui encontraria muita salsa no pé e uma língua bem engraçada

Ginga latina

Nem só de samba viveria o Carnaval. Os anos 80 seriam de valorização das culturas de massa na república de Che, de acordo com a cartilha comunista. O intercâmbio de programas de TV, cantores e bandas faria os brasileiros bailarem ao som de danças como mambo, salsa e zouk, expressões artísticas bem populares.

Che de Adidas

Che já teria deixado a América Latina há tempos. Depois de concluir a revolução por aqui, tentaria derrubar outras ditaduras na África e lutaria até pendurar a boina. “Ficar no poder por muito tempo não combinava com ele”, conta o cientista político Kleber Chagas. A imagem que teríamos de Che Guevara não seria a do rosto do jovem guerrilheiro, e sim a de um Che envelhecido. Talvez usando Adidas, como Fidel Castro.

O coletivo nos coletivos

A economia da república desaceleraria por causa da coletivização. A população entraria nas décadas seguintes empobrecida. Os brasileiros não teriam vivido a ascensão das classes mais pobres dos anos 90. E até hoje estariam longe de conseguir comprar carro – todo mundo dependeria de ônibus.

Beijo, me liga. No fixo

Che defenderia que as empresas permanecessem sob controle estatal. A falta de concorrência atrasaria a inovação e o desenvolvimento em serviços básicos, como telefonia. Com uma operadora só de celular, fazer uma ligação da rua seria dureza.

Portuñol, língua oficial

No Brasil, Che encontraria 90 milhões de pessoas falando português. O idioma não morreria, mas incorporaríamos gírias e expressões em espanhol, falado por mais de 190 milhões na América. E poderíamos ter assistido a programas como Chaves na língua original.

Fontes Kleber Chagas Cerqueira, historiador e doutor em ciências políticas pela UnB; Luiz Bernardo Pericás, historiador e autor dos livros Che Guevara e a Luta Revolucionária na Bolívia e Che Guevara e o Debate Econômico em Cuba; Vitor Izecksohn, professor de história da UFRJ; Osvaldo Coggiola, professor de história da USP; Amir Assad, economista da UFMG; Che Guevara – Uma Biografia; Che Guevara: A vida em Vermelho.