Clique e assine a partir de 8,90/mês

Esses cartazes do século XIX parecem memes machistas atuais

Machismo não é coisa do passado: o tratamento que se dava ao movimento sufragista no século XIX é o mesmo que o feminismo ganha, hoje, em posts nas redes sociais

Por Helô D'Angelo - Atualizado em 31 out 2016, 19h02 - Publicado em 14 jul 2016, 19h30

A charge mostra um grupo de feministas. Elas se vestem como homens, têm expressões ferozes no rosto e são desenhadas de um jeito feio. Na legenda, uma frase diz: “Feministas que nunca foram beijadas”. A mensagem é clara: essas mulheres malucas só estão lutando pelos próprios direitos porque nenhum homem quer ficar com elas. 

O ódio às feministas é muito comum nas redes sociais. Mas a charge descrita acima não é um meme atual. Na verdade, o desenho foi publicado na Inglaterra, na metade do século XIX, quando as mulheres começaram a ir às ruas para pedir para votar – é uma charge contra o movimento sufragista, uma das primeiras lutas feministas.

Na época, na maioria dos países democráticos da Europa e dos Estados Unidos, as mulheres trabalhavam, pagavam impostos e eram consideradas cidadãs, mas mesmo assim não podiam votar. Então, elas começaram a protestar pelo direito de escolher seus governantes, coisa que qualquer homem podia fazer. 

LEIA: Brasil, o país sem ministras

Assim como as pautas feministas hoje em dia, porém, o sufragismo foi recebido com uma onda de ódio – ódio que veio do medo, e o medo veio da ignorância sobre o que significava uma mulher votar. As mulheres só queriam ter os mesmos direitos que os homens, mas a mídia lidava com essa reivindicação como se fosse loucura: as sufragistas eram representadas como maldosas, burras, feias, mal amadas, sexualmente frustradas, violentas, loucas; dizia-se que elas queriam abandonar a família e os filhos, e que elas queriam se tornar homens – exatamente o que as pessoas críticas à luta feminista dizem hoje sobre o movimento. Veja:

Continua após a publicidade
Publicidade