Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

No princípio era a válvula

As primeiras calculadoras eletrônicas usavam lampadazinhas iguais às dos rádios antigos.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h11 - Publicado em 31 out 1999, 22h00

Spensy Pimentel

Como muitas outras invenções, o computador nasceu como uma máquina de guerra. A partir de meados da década de 30, quando o mundo caminhava para a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), cientistas dos Estados Unidos, da Alemanha e da Inglaterra se voltaram para o desenvolvimento de aparelhos capazes de decifrar os códigos inimigos e de executar os complicados cálculos necessários para os bombardeios aéreos. Essa tarefa impulsionava trabalhos de gênios como o inglês Alan Turing (veja o quadro na página 5) e o alemão Konrad Zuse (1910-1995). “O computador não tem um só inventor; ele é a confluência de um número muito grande de descobertas”, lembra Claudio Mammana, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo.

Na Alemanha, Zuse construiu para a Força Aérea nazista uma série de calculadoras eletromecãnicas que já usavam o sistema binário. Nos Estados Unidos, John Atanasoff criou, em 1939, um computador chamado ABC, que também usava esse sistema. A guerra terminou antes que aqueles protótipos se tornasse capazes de definir o resultado das batalhas. O primeiro computador moderno foi inaugurado em 1946, na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Era o Eniac (sigla em inglês para Integrador e Computador Numérico Eletrônico), um trambolho com cerca de 18 000 válvulas – aquelas lampadinhas que existem nos rádios antigos. O Eniac fazia cálculos mil vezes mais rápido que qualquer máquina anterior, mas tinha muitos problemas – pifava a toda hora e consumia tanta energia que, quando era ligado, as luzes na cidade de Filadélfia ficavam mais fracas, devido à queda de voltagem.

A lei do mais rápido

Na década de 60, Gordon Moore, um executivo da fábrica de processadores Intel, previu que o número de transístores em um chip dobraria a cada 2 anos, tornando os computadores cada vez menores e mais rápidos – e também mais baratos. O processador 286, lançado em 1982, tinha 134 000 transístores. O Pentium II, lançado em 98, tem 7,5 milhões. Os cientistas prevêem que a chamada Lei de Moore deva vigorar até 2010, quando os transístores serão tão pequenos que não será mais possível isolá-los eletricamente. A partir daí, já se pensa até em construir um chip que use sensores ópticos. Em vez de zeros e uns, os computadores processariam cores.

Do chip lascado ao chip polido

Como os computadores evoluíram até o primeiro PC.

1000 a.C – PRIMAZIA ORIENTAL

O ábaco é um instrumento de cálculo composto de pequenas contas de madeira presas a varetas, usadas como marcação para operações aritméticas. O número de barras representa o número de casas de um algarismo. Acredita-se que tenha surgido na Ásia, onde é difundido até hoje.

1822 – INGLÊS VISIONÁRIO

Projetada pelo inglês Charles Babbage (1791-1871) para calcular tábuas de logaritmos, a Máquina de Diferenças era uma calculadora de seis dígitos alimentada por um motor a vapor, que registrava resultados numa chapa de metal. Babbage também projetou uma máquina que funcionava com cartões perfurados, um rascunho do que seriam os computadores.

1939 – O PRIMEIRO ELETRÔNICO

O americano John Atanasoff e seu aluno Clifford Berry conceberam o Atanasoff Berry Computer (ABC), com 270 válvulas. A máquina resolvia equações, mas não era programável.

1642 – RELÓGIO-CALCULADORA

O francês Blaise Pascal (1623-1662) elaborou a Pascaline, uma máquina de somar que parecia um relógio e funcionava com engrenagens.

1890 – O FURO DE HOLLERITH

O americano Herman Hollerith criou a Máquina Tabuladora, para codificar informações em cartões perfurados. Os cartões foram usados em máquinas de calcular até os idos de 1980.

Continua após a publicidade

1941 – OFENSIVA NAZISTA

Em plena Segunda Guerra Mundial, o engenheiro alemão Konrad Zuse construiu a Z-3, uma calculadora eletromecânica muito eficiente do que suas similares americanas. A máquina foi destruída num borbardeio em 1944.

1943 – SEGREDO DE GUERRA

Como parte do esforço de guerra, cientistas ingleses construíram um precursor do ENIAC, o Colossus, utilizado para decifrar os códigos dos nazistas. Foi o primeiro computador eletrônico digital.

1947 – A REVOLUÇÃO DO SILÍCIO

Surge o transistor, um interruptor feito de silício que pode liberar ou bloquear a corrente elétrica, criando uma base de informação binária – um bit. Incorporado aos computadores, o transístor diminuiu seu tamanho e o consumo de energia.

1958 – RUMO AO MICRO

O engenheiro americano Jack Kilby inventa o chip, um dispositivo que reúne milhões de transístores em uma única lâmina de silício. Isso possibilitou a miniaturização dos computadores.

1943 -O PAI DO FTWARE

O húngaro John von Neumann (1903-1957) elaborou o plano para a construção do Mark-1, a primeira das chamadas Máquinas de von Neumann – computadores eletronicamente programáveis. A partir das idéias de Alan Turing, Von Neumann bolou os conceitos de software e de memória, e aplicou-os às suas máquinas.

1972 – COM PADRE E TUDO

O primeiro computador brasileiro, o Patinho Feio, é inaugurado na Universidade de São Paulo. O nome era uma brincadeira com o Cisne Branco, projeto de computador da Marinha.

1975 – O NASCIMENTO DO PC

Surge o Altair 8800, o primeiro microcomputador. O Apple II, primeiro micro a ser vendido todo montado, viria em 1977.

Continua após a publicidade
Publicidade