Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O dia em que uma cidade dos Estados Unidos baniu o Natal

Parece título de filme, mas é vida real. Em 1659, Boston proibiu seus residentes de comemorarem a festa, considerada um exagero pagão.

Por Leo Caparroz
21 dez 2023, 17h29

O Natal é uma festa querida por muitos – e pra lá de lucrativa. Só que nem sempre foi assim. No começo da Igreja Católica, os fiéis não comemoravam seus aniversários; o Natal, celebração do nascimento de Cristo, estava fora de questão. A Igreja via a ocasião como uma demonstração de orgulho e a considerou pagã durante muito tempo. Foi só no século 4 que ela passou a adotar a festa.

Quem também não curtia muito a ideia do Natal eram os puritanos, um grupo de protestantes um pouco mais radicais. No século 17, eles proibiram a comemoração do Natal em Boston, nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos foram colônia do Reino Unido do início do século 17 até o final do século 18. Nesses quase duzentos anos, os britânicos trouxeram seu povo, língua, cultura e religião. O protestantismo foi estabelecido na década de 1530, então grande parte dos que vieram para a América já praticavam a religião.

A cidade de Boston, parte da colônia da Baía de Massachusetts (que, mais tarde, se tornaria o estado de Massachusetts), foi fundada especificamente por puritanos. Suas visões religiosas dominavam a cultura e o sistema político. Em 11 de maio de 1659, um decreto proibiu os habitantes da cidade de celebrar o Natal. Quem fosse visto comemorando a data, seja faltando ao trabalho, fazendo festas ou algo do tipo, teria que pagar uma multa de cinco xelins (equivalente hoje a 60 libras ou 370 reais).

Continua após a publicidade

Os puritanos da cidade consideravam a festa uma celebração pagã, e o uso dos nomes de figuras sagradas, um sacrilégio. Esses protestantes estavam numa fase meio adolescente rebelde, e queriam se desvencilhar de qualquer vestígio católico. O Natal era uma festividade católica, e também foi considerada pagã por um tempo – então a data entrou na lista de repúdio deles.

Outra coisa que incomodava os puritanos era a comemoração em si. O Natal dos ingleses era diferente do nosso – e bem mais animado. A festa durava 12 dias, de 25 de dezembro a 5 de janeiro. No dia do Natal mesmo, o comércio fechava, as ruas eram decoradas e as pessoas celebravam com suas famílias e amigos. Nos demais dias, as lojas funcionavam por menos tempo, e os que podiam bancar festas mais longas estendiam as comemorações.

Os puritanos achavam que essa farra toda era um excesso. Eles consideravam o período de Natal como um tempo de indolência, de preguiça, como um grande desculpinha esfarrapada para pessoas perfeitamente saudáveis pararem de trabalhar e irem se divertir com a família e os amigos.

O paganismo e a preguiça resultaram na proibição. Os bostonianos só puderam comemorar o Natal quando o decreto caiu, na década de 1680. Durante um período de regência conhecido como Domínio da Nova Inglaterra, Londres assumiu o controle direto de algumas das colônias. Isso significava que elas perderiam alguns de seus direitos e precisariam ceder a algumas das ordens da metrópole – como a suspensão de certas leis, entre elas, a multa do Natal.

Continua após a publicidade

Mesmo com a festa liberada, demorou um tempinho até que ela pegasse no povo. Relatos contam que, durante alguns anos, a população seguiu a vida normalmente, como se a data fosse só mais um dia de dezembro. Massachusetts foi um dos últimos estados americanos a oficializar o Natal como um feriado – foi só em 1856, vinte anos depois do primeiro.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.