Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Os bastidores da assembleia que criou o Estado de Israel

Em 1947, a ONU decidiu pela divisão da Palestina. Saiba como foi o processo, com pressões políticas a favor e contra - e o papel do brasileiro Oswaldo Aranha na decisão.

Por Ana Paula Alfano
Atualizado em 13 out 2023, 19h22 - Publicado em 21 Maio 2021, 10h11

“Nossa distante rua à beira de Kerem Avraham, no norte de Jerusalém, explodiu em um primeiro grito aterrorizante. […] Meu pai e minha mãe estavam ali abraçados como duas crianças perdidas na floresta, como eu nunca os tinha visto antes ou depois, e por um momento entrei no abraço deles e então voltei aos ombros de meu pai. Meu pai, sempre muito culto e educado, gritava no mais alto de sua voz, não palavras claras ou slogans sionistas, nem gritos de alegria, mas um grito longo e nu que parecia preceder a invenção das palavras.”

As linhas acima foram extraídas do livro De Amor e de Trevas, escrito pelo israelense Amos Óz. São suas lembranças da noite de 29 de novembro de 1947.

Já era quase meia-noite em Jerusalém quando uma assembleia geral extraordinária da ONU decidiu pela divisão da Palestina para a criação de dois Estados, um árabe e outro judeu.

O autor, então uma criança de apenas 8 anos, foi um dos milhões que acompanharam pelo rádio, mundo afora, a transmissão daquele pleito histórico.

A votação acontecia em Nova York e era o ápice de um processo iniciado havia meses, com árabes e judeus trabalhando intensamente nos bastidores, em busca de apoio para suas respectivas causas. Uma semana antes da assembleia, parecia que a história não acabaria bem para a comunidade judaica.

O grupo contrário à partilha, liderado por delegados de Arábia Saudita, Síria, Iraque, Líbano e Egito, ainda era majoritário. Do outro lado, porém, havia figuras de influência no cenário internacional mexendo os pauzinhos em prol dos judeus.

Continua após a publicidade

Gente como Nahum Goldmann (1895-1982), um dos mais destacados líderes do movimento sionista; Abba Eban (1915-2002), oficial de ligação com o Comitê Especial das Nações Unidas para a Palestina; e David Ben-Gurion (1886-1973), que mais tarde se transformaria no primeiro chefe de governo do Estado de Israel.

Os judeus se empenhavam na aprovação da partilha desde fevereiro daquele ano, quando a Grã-Bretanha requisitou à ONU uma solução para o problema da Palestina, que estava sob seu controle desde 1920 e, àquela altura, encontrava-se mergulhada em conflitos envolvendo judeus e palestinos (leia mais nesta reportagem).

Em maio, a organização criou um comitê especial para avaliar a questão, com 11 diplomatas de países que, em tese, eram neutros, sem qualquer ligação com os interesses em jogo. Eles seriam os responsáveis por analisar a situação e propor um acordo. O comitê partiu para Jerusalém com o objetivo de tomar depoimentos dos dois lados. Só que os árabes optaram por boicotar a iniciativa e se calaram, abrindo espaço para que os judeus exercessem maior influência sobre os representantes da ONU.

Em setembro de 1947, o relatório final do comitê propôs a divisão da Palestina em dois Estados. Para aprová-la, seriam necessários dois terços dos votos de 57 delegados que se reuniriam numa assembleia marcada para novembro.

Nas semanas seguintes, o mundo assistiu a árabes e judeus correndo contra o tempo, na tentativa de sensibilizar o maior número possível de votantes. Até que novembro chegou e o tempo se esgotou.

Continua após a publicidade

“O que aconteceu na semana da votação foi uma aula de ação política”, lembra Yousouf Ghanem, da delegação saudita, numa entrevista concedida nos anos 1960 e reproduzida no documentário UN Partition Plan (“Plano de Partilha da ONU”), disponível na internet. “Eram promessas, persuasões e propaganda enfiada goela abaixo dos delegados, na tentativa de mudar votos em cima da hora.”

O pleito, agendado para 26 de novembro (véspera do feriado de Ação de Graças), teve início com os judeus sob pressão. No dia anterior, uma votação preliminar havia apontado 25 votos a favor da partilha, 13 contra e 17 abstenções. Era pouco, um placar apertado demais. Eles precisariam de mais tempo se quisessem ampliar o número de votos favoráveis para não correr riscos.

Em entrevista concedida à TV na década de 1970, também disponível na internet, o líder sionista Nahum Goldmann relembra algumas estratégias adotadas por ele para retardar o avanço dos trabalhos. “Comecei a pedir aos colegas que alongassem seus discursos o máximo possível, para que não houvesse tempo de encerrar a votação naquele dia”, conta Goldmann. “E dizia: recitem trechos da Bíblia se for preciso.”

Força-tarefa

Já eram mais de seis horas da tarde quando entrou em cena um personagem decisivo: o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha (1894-1960), que presidia a assembleia. Homem experiente nas relações internacionais, que já tinha sido ministro de Estado e embaixador em Washington, Aranha era claramente favorável à divisão da Palestina e à criação de um Estado judeu.

Diante das circunstâncias, ele decidiu adiar a votação para depois do feriado. Um representante da França pediu outras 24 horas de recesso, prontamente aprovadas pelo brasileiro. Assim, os judeus conseguiram dois dias extras – e fundamentais – para alcançar seu objetivo.

Continua após a publicidade
Foto de Oswaldo Aranha, indicado ao Prêmio Nobel da Paz em 1948.
(Library of Congress/Getty Images)

Em suas memórias, o sionista Abba Eban chegou a escrever sobre Aranha, referindo-se a ele como “um homem de disposição apaixonada e romântica, religiosamente enlevado pela existência de um Estado judaico”.

Para os judeus, tratava-se de um aliado numa posição estratégica. Já os árabes o enxergavam como tendencioso. E, para a plateia, o brasileiro se dizia independente. “Como presidente,” ele escreveu, “cabia-me a função ingrata de tratar, com imparcialidade e frieza, de um problema impregnado de paixão e sofrimento”.

Assim que o pleito foi adiado, uma força-tarefa entrou em ação. A Agência Judaica, que atuava como autoridade para a comunidade de judeus estabelecida na Palestina, trabalhou incessantemente,  disparando ligações e telegramas que cruzaram o mundo.

Votos contrários à divisão da Palestina, como o da França, do Haiti, das Filipinas e da Libéria, acabaram sendo revertidos mediante uma forte pressão exercida junto a políticos importantes desses países.

Quando finalmente chegou a hora da verdade, os judeus pareciam ter conseguido virar o jogo. Aí, foi a vez dos árabes pedirem um adiamento. Mas Oswaldo Aranha recusou o pedido e abriu a votação dizendo as seguintes palavras: “Aqueles em favor dirão sim; aqueles contra dirão não; e aqueles que se abstêm sempre sabem o que dizer”.

Continua após a publicidade

Na sequência, 13 países votaram contra a partilha. O Reino Unido, responsável pela administração da Palestina até aquele momento, preferiu se abster, assim como outras nove nações. E 33 votos favoráveis foram registrados, entre eles o do Brasil.

A Tailândia foi a única ausente na votação, que não durou mais do que três minutos. A partilha do território palestino estava oficialmente aprovada pela ONU. Abria-se, assim, o caminho para a invenção de um novo país: o Estado de Israel.

Lista mostrando como votaram os 57 países representados na assembleia, divididos entre contrários à partilha, favoráveis e abstenções.
(Ana Paula Alfano/Superinteressante)
Oswaldo Aranha: Indicado ao Prêmio Nobel da Paz em 1948.

“Na tarde de 3 de outubro de 1930, um homem alto, bonito, 36 anos e pai de quatro filhos, voluntariamente e por motivos de honra pessoal, comprometeu-se a uma missão perigosa: liderou um grupo de homens armados, que incluía três de seus irmãos, em um ataque à sede da guarnição federal em Porto Alegre.”
É assim que o biógrafo americano Stanley Hilton descreve, no livro Oswaldo Aranha – Uma Biografia (Editora Objetiva), a participação do advogado e diplomata brasileiro na Revolução de 1930, movimento que pôs fim à República Velha e levou Getúlio Vargas ao poder.

Para o historiador Pedro Corrêa do Lago, neto de Aranha, esse foi apenas o primeiro de três momentos extraordinários na vida de seu avô. “Ele também teve papel decisivo [como ministro] durante a 2ª Guerra Mundial, ao levar o Brasil para o lado dos Aliados, e na assembleia extraordinária da ONU.” Corrêa do Lago é autor de Oswaldo Aranha – Uma Fotobiografia (Editora Capivara), que reúne imagens históricas desses e de outros episódios marcantes na carreira do avô.

Uma trajetória iniciada nos anos 1920, quando ocupou os cargos de intendente de Alegrete (sua cidade natal), deputado federal e secretário de Estado. Aranha foi Ministro da Justiça, da Fazenda e das Relações Exteriores de Vargas, além de embaixador em Washington. Em 1947, o então presidente Eurico Gaspar Dutra lhe designou o assento do Brasil no Conselho de Segurança da ONU.

Continua após a publicidade

Por sua atuação como presidente da assembleia extraordinária que aprovou a partilha da Palestina, acabou indicado ao Prêmio Nobel da Paz de 1948 – um ano sem vencedores por causa da morte de Mahatma Gandhi, que também concorria.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.