GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Quais foram os maiores assassinos da história?

Tão fanáticos que engoliam as surras e abusos sexuais que ele cometia. Acuado pela Justiça, Jones foi morar numa fazenda na Guiana em 1977, levando centenas de fiéis.

Alexandre Versignassi e Rafael Tonon

Jim Jones

Mortes nas costas: 913.

Onde e quando: Guiana, 18 de novembro de 1978.

O pastor americano Jim Jones fundou uma seita em 1963 e juntou milhares de seguidores fanáticos. Tão fanáticos que engoliam as surras e abusos sexuais que ele cometia. Acuado pela Justiça, Jones foi morar numa fazenda na Guiana em 1977, levando centenas de fiéis. Quando o cerco fechou por lá também, decidiu se matar. E convenceu os seguidores a fazer o mesmo, bebendo cianureto. Resultado: 914 cadáveres – os dos fiéis mais o de Jones, encontrado com um tiro na cabeça.

Behram, o tugue

Mortes nas costas: 931

Onde e quando: Índia, entre 1790 e 1840.

Ninguém matou mais gente que ele, pelo menos segundo o Guiness Book. Pudera: o hindu Behram (de sobrenome desconhecido) era membro da seita tugue, que sacrificava gente durante seus cultos religiosos. Suas vítimas preferidas eram andarilhos: eles chegavam, faziam amizade e, quando não tivesse ninguém por perto, os estrangulavam com uma faixa de pano. Os tugues agiram do século 14 ao 19, quando foram exterminados pelos colonizadores britânicos.

Pedro Alonso Lopez

Mortes nas costas: Cerca de 300*

Onde e quando: América do Sul, anos 70.

“Eu ia atrás das minhas vítimas em mercados. Procurava menininhas com olhar bonito e inocente. Quando encontrava uma, a seguia por 2, 3 dias, até que estivesse sozinha. Então…” Lopez, o Monstro dos Andes, fez isso centenas de vezes. Agiu na Colômbia (seu país natal), Equador e Peru. Chegou a matar 3 garotas por semana. Quando a polícia o pegou, em 1980, Lopez confessou tudo. Mas só acreditaram no sujeito depois de encontrar 53 corpos de meninas entre 8 e 12 anos num terreno indicado por ele. Hoje, o Monstro tem 57 anos, e continua preso.

* Quantidade estimada – nem a polícia nem o assassino sabem o número exato de vítimas