Clique e assine a partir de 8,90/mês

Templos gregos tinham acessibilidade, diz estudo

Uso de rampas era comum sobretudo em templos dedicados a divindades ligadas à saúde, onde gregos iam buscar cura.

Por SUPER - Atualizado em 8 set 2020, 18h08 - Publicado em 1 ago 2020, 11h30

Não era apenas uma escolha arquitetônica: rampas de templos da Grécia Antiga serviam para ajudar pessoas com dificuldade de locomoção – como idosos, gravidas e pessoas com deficiência – a acessar os locais sagrados.

É o que argumenta um novo estudo, feito na Universidade do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos, e publicado na revista científica Antiquity.

A análise das ruínas de dezenas de templos mostrou que o design acessível era comum principalmente naqueles dedicados a divindades relacionadas à saúde, onde gregos iam buscar a cura de suas enfermidades.

Um exemplo dessa prática pode ser visto na antiga cidade grega de Epidauro. Lá existe um templo dedicado a Asclépio, o deus da medicina. Construído no século 6 a.C, ele foi reformado, séculos depois – e conta com ao menos 11 rampas de pedra.

Segundo especialistas, o respeito às deficiências faziam parte da vida na Grécia Antiga. Sabe-se que em Atenas, por exemplo, o governo contava com programas de assistência a pessoas debilitadas, e feridos de guerra tinham cuidados especiais.

Continua após a publicidade
Publicidade