Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Zona industrial” do Egito Antigo é descoberta em Luxor

Os achados têm 3.500 anos, revelam uma cadeia de produção de artesanato funerário.

Por Ingrid Luisa Atualizado em 14 out 2019, 19h35 - Publicado em 14 out 2019, 19h29

Luxor, a antiga Tebas, era o coração do Egito Antigo. Ela foi capital do Império durante um período glorioso, entre 1550 a.C. e 1070 a.C, época de faraós como Tutankhamon, Seth e Ramsés. Seus enormes templos e o impressionante Vale dos Reis, conjunto de 62 túmulos dos faraós egípcios, estão entre os destinos turísticos mais procurados do país.

Agora, uma nova descoberta na cidade surpreendeu os arqueólogos: eles encontraram uma “área industrial” datando de 3.500 anos atrás. No local, composto por 30 oficinas e um grande forno para queimar cerâmica, artesãos participavam de uma verdadeira cadeia produtiva de itens decorativos, móveis e cerâmica para tumbas reais, anunciou o Ministério das Antiguidades do Egito. Esse conglomerado fica num local conhecido como “Vale dos Macacos”, localizado na margem ocidental do Nilo, em Luxor.

Além de vasos e potes de decoração, os pesquisadores também encontraram no local uma grande quantidade de elementos decorativos fabricado na época, usados ​​na decoração de sarcófagos de madeira, como folhas de ouro e alguns enfeites chamados “asa de Hórus” – uma homenagem à divindade associada à morte e a ressurreição.

Os arqueólogos também encontraram depósitos usados ​​para armazenar água e comida, além de um poço, que na época mantinha água acessível aos trabalhadores. Acredita-se que todos os artefatos datam da Décima Oitava Dinastia do Egito, que durou de 1539 a.C. a 1292 a.C. O vale, um local difícil de se escavar, tem dado trabalho aos pesquisadores: eles removeram mais de 3.000 pedras para poder acessar os destroços.

De acordo com arqueólogo Zahi Hawass, líder da escavação, essa é uma descoberta sem precedentes: “Até agora, tudo o que sabíamos sobre a região de Luxor vinha dos túmulos e templos, mas essa nova descoberta nos permitirá lançar uma luz sobre as ferramentas e técnicas usadas para produzir os caixões reais e os móveis colocados nos túmulos”.

Ainda segundo ele, essa é a primeira vez que se encontrou uma “zona industrial” de artesanato funerário no Egito. Com essas novos artefatos, os pesquisadores creditam que poderão investigar mais informações sobre a vida dos artesãos que trabalhavam no local.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)