Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como se despolui um rio?

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h05 - Publicado em 1 mar 2005, 01h00

Bruno Vieira Feijó

Existem diversas maneiras, mas, infelizmente, todas são caras e só funcionam a longo prazo. A despoluição do Tâmisa, na Inglaterra, por exemplo, levou 150 anos. A limpeza do Reno, que nasce na Suíça e deságua no mar do Norte, custou 20 anos de trabalho. “E, mesmo assim, comparar a despoluição desses rios com a do Tietê, em São Paulo, não é o mais correto”, explica Hebert Andrade, analista ambiental. Tanto o Tâmisa quanto o Reno deságuam no mar. Uma vez interrompido o lançamento de dejetos, a natureza cuida do resto. O Sena, na França, também facilitou o trabalho da equipe de limpeza. O rio tem mais água e profundidade que o Tietê, o que também ajuda no processo. Ao rio paulistano sobra a solução mais complexa: uso de máquinas pesadas (dragagem), coleta eficiente de esgoto e conscientização da população para evitar que a sujeira seja jogada na rua e acabe indo parar no rio.

Os primeiros passos para a limpeza do Tietê estão sendo dados pelo governo do estado de São Paulo desde 1992. A idéia era que o rio estivesse completamente limpo e navegável em 2010, mas, mesmo com a parafernália funcionando a todo vapor, os ambientalistas acham a previsão exageradamente otimista. Para eles, o mais provável é que o rio só esteja totalmente recuperado lá por 2015.

Despoluição high tech

Conheça as principais tecnologias usadas para combater a sujeira

DRAGAGEM

Onde é usada: rios grandes

Como é: Uma embarcação com bombas de sucção retira camadas de sujeira, destruindo as “placas” que se depositam no fundo do rio. O material recolhido é transportado, através de tubulações, até um bota-fora, próximo à margem do rio. Quando há excesso de lodo, usa-se uma ferramenta “fatiadora”, que parte esses resíduos e torna a secção mais fácil

Continua após a publicidade

FLOTAÇÃO

Onde é usada: rios menores

Como é: A técnica, patenteada por um brasileiro, efetua a separação físico-química dos poluentes por meio de substâncias jogadas na água (sulfato de alumínio e polieletrólito). Essas substâncias têm efeito coagulante e fazem as partículas sólidas (sujeira) flutuarem. Para que os fragmentos não afundem, um equipamento injeta oxigênio no fundo do rio (aeração). Parte do lodo é desidratado e devolvido à natureza

GRADEAMENTO

Onde é usada: rios e estações de tratamento

Continua após a publicidade

Como é: Grades metálicas são colocadas na parte rasa do rio e retêm materiais grosseiros, como garrafas plásticas, papéis e pedaços de vidro, trazidos pela chuva. As grades, dotadas de um interceptor, abrem e fecham de acordo com as características físicas dos objetos que devem ser encarcerados. Mais tarde, o material é lançado em uma caçamba de lixo

TÉCNICAS NUCLEARES

Onde é usada: lagoas e reservatórios

Como é: Um radioisótopo (átomo radioativo) pode ser usado para mapear o trajeto e a quantidade de poluentes na água e na terra. A radiação emitida pelo radioisótopo penetra nesses materiais e os torna facilmente detectáveis por aparelhos especiais, mesmo em quantidades muito pequenas. Um exemplo é o monitoramento de gases originados da queima de combustível fóssil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.