Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Tartaruga em extinção: Fio de esperança

Os exemplares preservados em museus foram coletados há mais de um século. Mas há quem acredite que a espécie não tenha sumido por completo

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 19h04 - Publicado em 31 out 2004, 22h00

Guadalupe Fernandez Presas

A tartaruga-de-água-doce-de-seychelles (Pelusios seychellensis) é nativa do paradisíaco arquipélago de Seychelles, uma pequena república localizada a sudeste do continente africano. Também denominada tartaruga-de-lama-de-seychelles, sua existência resume-se hoje a três exemplares coletados em 1895 e que foram parar em museus. Não há estudos aprofundados a respeito de suas características ou de seu comportamento, mas há indícios de que as tartarugas faziam parte de um grupo restrito de animais originários dos rios e pântanos, antes comuns nas ilhas Seychelles. A degradação de seu habitat em decorrência da ação humana, incluindo o aumento dos níveis de poluição e a invasão de plantas aquáticas indesejadas, como os aguapés, é considerada a principal causa da extinção da forma original desse réptil.

Alguns pesquisadores acreditam que essas tartarugas podem não ter desaparecido completamente, sofrendo uma provável hibridação com outra subespécie, a Pelusios castanoides intergularis. A relação genética entre as duas subespécies está sob investigação. O que se sabe é que as intensas buscas por exemplares puros de Pelusios seychellensis, realizadas desde 1996, mostraram-se até agora infrutíferas.

As duas subespécies de tartarugas de água doce que restam na República de Seychelles, a Pelusios castanoides intergularis e a Pelusios subniger parietali, podem ser encontradas hoje nos pântanos das ilhas de Mahe, Praslin, Silhouette, La Digue e Fregate. São pequenos animais, com 12 a 46 centímetros de comprimento, cascos na forma retangular e abobadada, que se alimentam de pequenos animais, como artrópodes e minhocas. Entretanto, muitos desses pântanos têm sido drenados, ameaçando seriamente a existência das tartarugas. Um exemplo é o pântano de Anse Kerlan, em Praslin, que foi drenado há alguns anos para a implantação de um campo de golfe. Os efeitos foram os piores possíveis: a população local de Pelusios castanoides e de Pelusios subniger diminuiu, respectivamente, em 57% e 21%.

Tartaruga-de-Água-Doce-de-Seychelles

Nome científico: Pelusios seychellensis

Ano da extinção: 1996

Habitat: República de Seychelles

Continua após a publicidade
Publicidade