GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

17 detalhes fantásticos que te farão amar Rick e Morty ainda mais

Todos, absolutamente TODOS os arrotos de Rick são 100% reais

1) O seriado foi criado, vendido e roteirizado em apenas um dia

Assim que criaram a ideia para Rick & Morty, Don Harmon e Justin Roiland receberam o ok do Adult Swim para o piloto e começaram imediatamente a trabalhar no roteiro do episódio. Tudo no mesmo dia!

Assim que Nick Weidenfeld, chefe de programação do Adult Swim, concordou em fazer o programa e saiu do escritório (sem móveis) de Harmon nos estúdios da Universal, Harmon e Roiland se colocaram a trabalhar. “Nós estávamos sentados no chão, com as pernas cruzadas, segurando os laptops, e eu estava prestes a levantar e ir para casa e ele [Roiland] disse: ‘Se você for para casa agora, nós podemos demorar três meses para escrever isso. Fique aqui agora e a gente consegue escrever em seis horas’”, descreveu Harmon em uma entrevista.

2) Originalmente, Rick e Morty eram paródias de Doc Brown e Marty McFly

Dan Harmon é o criador do Channel 101, um festival mensal em Los Angeles em que todos os curtas apresentados podem ter no máximo 5 minutos de duração. Rick & Morty surgiu como um curta para esse festival. Quando o Adult Swim pediu a Harmon ideias para programas, ele trabalhou com Roiland para criar a série.

O curta original, porém, era uma paródia de De Volta Para o Futuro chamada The Real Animated Adventures of Doc and Mharti. Esse curta era ainda mais pesado do que Rick & Morty geralmente é, incluindo uma cena em que Doc exige que Mharti lamba suas bolas.

“Eu tinha acabado de sair de um emprego como produtor em uma série na qual eu estava criativamente algemado. Eu simplesmente tinha toda essa agonia e raiva e eu queria fazer algo que fosse nojento”, disse Roiland ao IGN em uma entrevista. “Por algum motivo, amarrei tudo em volta dessas duas horríveis imitações e Doc e Marty. A ideia de que lamber as bolas dele consertaria qualquer problema – isso é ridículo. Mas é, eu meio que me apaixonei por esses personagens e eles meio que ganharam vida própria. Dan sempre foi fã desses curtas. Quando ele me ligou para dizer ‘Você tem algo? O Adult Swim quer trabalhar comigo’, foi a primeira coisa que mencionei. ‘Bem, que tal aqueles caras? Você tem interesse?’, e ele disse ‘Sim, é perfeito!’”.

3) O episódio inspirado em Uma Noite de Crime foi feito de improviso e ninguém tinha visto o filme

Segundo o livro de arte recém-lançado sobre o seriado, o penúltimo episódio da segunda temporada, Look Who’s Purging Now, foi criado totalmente de última hora. Isso porque a equipe pretendia fazer o episódio final em duas partes e só no final da produção é que decidiu transformar a segunda parte no primeiro episódio da terceira temporada. Com isso, ficaram com um buraco na grade para preencher. Dan Harmon escreveu o roteiro inteiro em um dia. Deu tão certo que Roiland descreve esse episódio como seu favorito da segunda temporada.

O mais engraçado é que, apesar de o episódio se basear em Uma Noite de Crime, ninguém da equipe havia visto o filme na época.

4) A série foi uma das primeiras a estrear um episódio no Instagram

O oitavo episódio da primeira temporada, Rixty Minutes, foi subido na rede social antes de ir ao ar oficialmente. No entanto, nessa época, os vídeos do Instagram eram limitados a 15 segundos. Por causa disso, o episódio teve que ser cortado em 109 pedaços. Ainda dá para assisti-los se você procurar na conta @rickandmorty.

Este foi o primeiro episódio mostrando comerciais de outros universos. Uma curiosidade é que Justin Roiland improvisou todas as esquetes dos comerciais com a própria voz, e é possível notar isso quando ele dá risada no final de algumas delas. Alguns dubladores foram chamados para gravar em cima da interpretação de Roiland, mas orientados a seguir sua versão com a maior fidelidade possível.

5) A equipe usa uma brecha jurídica para ficar inserindo formatos sexuais, como pênis e vaginas

Você já reparou em como Rick & Morty possui dezenas de aliens, plantas e criaturas com formato fálico ou então com bolas penduradas que mais parecem sacos escrotais? No recém-lançado livro com as artes do seriado, a equipe explica o que é a “Regra da Cor” e como ela é usada para impedir que isso vire um problema.

“A equipe de arte aprendeu logo no começo que, para conseguir a aprovação da emissora para mostrar todas essas coisas arriscadas, nós simplesmente tínhamos que garantir que não fossem coloridas com o tom da pele. É a velha Regra da Cor. Então se a cara de um alien parece com uma vagina ou com bolas, contanto que a gente coloque na cor azul, não tem problema.”

6) Os criadores se inspiraram em Ren e Stimpy, Beavis e Butt-Head, South Park e outros

Numa entrevista em 2013, Justin Roiland descreveu suas influências: “Eu tinha apenas 12 anos quando Ren & Stimpy estreou e a série teve um enorme impacto em mudar minha percepção sobre o que poderia ser feito em animação tanto em estilo quanto em tom. É claro que Beavis e Butt-Head também era muito engraçado e estabeleceu esses dois protagonistas idiotas conforme andavam pelo mundo e todas as outras pessoas bancavam o certinho – e é claro, Mike Judge dublava os dois, o que é algo que eu também faço em Rick & Morty”.

Sobre South Park, a animação do Comedy Central que segue firme há mais de 20 anos, Roiland disse: “South Park também foi um grande modelo porque você podia ver o quão longe eles conseguiam forçar a barra, não só em termos de tom, mas também juridicamente, no que eles podiam se safar quando usavam personagens com aparência de alguém ou nomes de produtos”.

Outras influências citadas em entrevistas são Os Simpsons, Doctor Who, Animaniacs, Hora de Aventura e O Guia do Mochileiro das Galáxias.

7) O Adult Swim dá liberdade total aos criadores

Mike Lazzo, o presidente do Adult Swim, adora o programa e lê pessoalmente cada roteiro. Depois, ele conversa com Roiland e Harmon para dar seu feedback. Quando preciso, ele mesmo luta contra os censores para proteger as piadas do programa e a visão dos criadores.

“Ele tem a autonomia, a humildade e o poder mental de pegar um script, reconhecê-lo pelo que é, um documento com palavras escritas, ler e te contar qual foram suas reações como um indivíduo. Essas são as suas anotações”, descreveu Roiland em uma entrevista. “Ele diz: ‘na página 17 eu me perdi na história. Talvez fosse porque eu estava dirigindo pro trabalho enquanto lia, ou comendo um sanduíche, ou talvez eu não tenha o senso de humor certo’. Ele nunca diz: ‘eu acho que as pessoas não vão gostar disso’. Ele nunca se atreve a ficar especulando enquanto criamos. Ele nunca diz: ‘As pessoas vão reagir de tal forma quando essa parte acontecer’. E ele também nunca confunde o script com o produto final. Ele avalia o script como script. Ele passa observações editoriais sobre a animação. E então ele passa observações finais. De vez em quando, tem algo com que não concordamos, mas [essa relação] faz com que nós desejemos deixá-lo contente.”

Isso não impede, porém, que Lazzo sofra críticas. Em 2016, foi reportado que o Adult Swim possui menos mulheres trabalhando como roteiristas do que qualquer outra emissora. Lazzo se defendeu dizendo que “quando você coloca mulheres na sala de roteiristas, você consegue conflito, não comédia”.

8) A inspiração para Mr. Meeseeks veio de um gato

Em um vídeo, Harmon e Roiland comentaram a origem de Mr. Meeseks, o personagem múltiplo que realiza desejos e depois morre, mostrado no episódio Meeseeks And Destroy. A inspiração veio de um amigo de Roiland chamado Mike Gillian, que tinha um gato chamado Skeeseks.

Corta para anos depois, quando Roiland estava numa reunião de roteiristas de Rick & Morty ouvindo ideias e comentando “Isso não é engraçado!” enquanto rolava no chão. Do nada, ele começou a gritar “Eu sou o Mr. Meeseeks!” enquanto os outros tentavam concluir o trabalho. A equipe acabou incluindo o personagem na história.

O conceito do personagem, porém, já existia e, segundo Harmon, foi “roubado” de uma HQ chamada Scud: The Disposable Assassin (Scud: O Assassino Descartável) em que robôs chamados Scuds são contratados para matar pessoas e, depois de cumprirem suas missões, se matam.

Ah, e o design veio de uma esquete do programa Mr. Show:

9) Havia a ideia de inserir um segredo que só seria revelado no final, mas foi abandonada porque um fã o descobriu

Os criadores, no começo da série, pensaram em inserir um grande segredo que só seria revelado no final, como o fato de Bruce Willis estar morto em O Sexto Sentido ou o fato de o Narrador ser Tyler Durden em O Clube da Luta. Mas essa ideia  – que os criadores fazem questão de não revelar – acabou abandonada porque um fã conseguiu antecipá-la e postou sua teoria no Reddit.

Harmon conta: “Quando escrevemos o primeiro episódio, tivemos uma conversa em que acho que foi o Mike McMahan [roteirista] que disse: ‘Vamos decidir se teremos um segredo que manteremos oculto da audiência para sempre?’. Não vou dizer o que era. Nós dissemos: ‘Que tal isso?’ e concordamos: ‘É, isso é legal’. Eu fiquei meio obcecado por isso por um tempo. Mas o que eu acho que é realmente interessante sobre essa nova era de ouro da TV é que, no meio da primeira temporada, alguém fez um post no Reddit apresentando uma teoria, e era exatamente o que a gente havia discutido. A gente ficou: ‘Oh, graças a Deus que não fizemos nada com esse plot’. (…) Você não pode mais escrever TV com base em grandes revelações porque o público é essencialmente uma calculadora. Eles têm um limite de cálculo infinito. Não há sala de roteiristas que consiga pensar mais do que 20 milhões de pessoas se dedicando uma hora por dia”.

10) Os parasitas mentais foram inspirados por Buffy, a Caça-Vampiros

Nos comentários do DVD da segunda temporada, Roiland e Harmon revelam que a inspiração para o episódio Total Rickall, em que parasitas alienígenas invadem a casa da família e criam memórias falsas em seus cérebros, veio do famoso seriado Buffy, a Caça-Vampiros.

Na quinta temporada daquele seriado, é revelado que Buffy tinha uma irmã, Dawn, que não aparecia nas temporadas anteriores. Apesar disso, os personagens do show a aceitam como se ela sempre tivesse existido. Um dos roteiristas de Rick & Morty, Ryan Ridley, elaborou sobre o assunto em um podcast: “Eles estão todos fingindo. Quero dizer, não estão fingindo, mas a estão tratando como se ela sempre houvesse estado lá. E você sabe, como telespectador, que Buffy não teve uma irmã por quatro temporadas. Então você procura uma explicação sobrenatural para isso”.

11) Todos os arrotos de Rick são reais

Quando Justin Roiland grava as vozes de Rick, ele marca as falas nas quais quer incluir arrotos. Ele bebe uma cerveja de baixas calorias para poder juntar gás no estômago e depois tenta falar as frases enquanto solta os arrotos no meio.

Em um episódio da primeira temporada, Harmon também sugeriu a Roiland que ele gravasse as falas de Rick realmente bêbado. O dublador então bebeu várias doses de tequila e começou a trabalhar. Todo o processo pode ser visto neste vídeo do Adult Swim:

12) As faixas da trilha são sempre de bandas das quais Justin Roiland é fã

Uma das características mais legais de Rick & Morty é sua trilha-sonora. Ao longo das três temporadas, pudemos ver faixas como “Look On Down From The Bridge”, do Mazzy Star, que toca quando Rick e Morty enterram os próprios corpos na primeira temporada, ou “For The Damaged Coda”, do Blonde Redhead, que é a trilha do Evil Morty.

“Essa é a sensibilidade de Justin e Dan. Os dois amam essas coisas shoegaze dos anos 90”, disse o compositor da música incidental do programa, Ryan Elder. “Harmon foi muito legal em confiar em mim e em concordar com as escolhas musicais”, disse Roiland em uma entrevista. “Eu sabia que ia usar aquela faixa do Mazzy Star há muito tempo – foi um dos primeiros scripts que escrevemos quando fomos escolhidos como série. Sou um grande fã de Mazzy Star. Sou um grande fã de todas as bandas que usamos no programa. Meu gosto musical é bem variado”, disse ele.

13) Pickle Rick é uma homenagem a um episódio de Breaking Bad

Se você viu o terceiro episódio da terceira temporada, Pickle Rick, pôde conferir uma das aventuras mais malucas da série: Rick transforma a si mesmo num pepino para não ter que ir a uma sessão de terapia familiar. Ele acaba caindo no esgoto e precisando se virar para sair de lá vivo, mesmo sem ter mãos e pés.

Em uma entrevista recente com o site Fast Company, o criador Don Harmon disse que o episódio foi parcialmente inspirado no episódio 4 Days Out, de Breaking Bad, em que o trailer de Jesse quebra no meio do deserto, deixando ele e Walter presos lá. “Foi interessante vê-lo [Walter] preso numa van quente, prestes a morrer e tendo que confiar em seu conhecimento básico de ciência para manter os dois vivos. Foi uma grande inspiração. Achei que seria legal essa ideia de que Rick sempre tem esse monte de gadgets o tempo todo, essas armas, veículos e robôs. Ele pode fazer o que quiser com suas mãos humanas porque ele sempre está perto de uma caixa de ferramentas. Mas o quão esperto ele realmente é? Será que ele é tão esperto a ponto de conseguir, apenas com sua boca, obter vantagem sobre máquinas assassinas biológicas em um ambiente que não foi desenvolvido para sustentá-lo?”.

14) Gearhead é inspirado em Roboto do He-Man e o disco voador é inspirado em Calvin e Haroldo

Essas revelações foram feitas no recente livro de arte da série.

15) “Goodbye Moonman” foi gravada em 20 minutos e em um único take

Veja Ryan Elder, compositor da trilha original da série, contar a história de “Goodbye Moonman”, a música que Flatulência canta no episódio Mortynight Run, da segunda temporada: “Eles me mandaram o script e disseram: ‘Isso vai ser uma gravação prévia. Vamos precisar animar isso. Você pode criar algo para a gente animar?’. O script apenas dizia: ‘Flatulência canta uma música no estilo de David Bowie’ e tinha a letra. Então eu escutei David Bowie por muitas horas, o que foi definitivamente uma das partes mais divertidas do meu trabalho”.

“Então eu sentei com uma guitarra e comecei a cantar essas palavras, e o processo inteiro de compor essa música levou uma hora ou duas. Depois me disseram: ‘ei, nós vamos tentar conseguir o Jemaine Clement [de Flight of The Conchords] para cantar isso’. Nós fizemos uma sessão em que ele estava na Nova Zelândia gravando localmente e nós estávamos no escritório em Burbank (EUA) falando com ele pelo telefone. Eles gravaram todas as suas falas para o episódio e aí só sobraram 20 minutos para nós fazermos todos os vocais da música. Felizmente, ele é um profissional completo. Eu usei o primeiro take dele. Ele acertou de primeira.”

16) Os roteiristas não pesquisam a parte científica da série

Muitos fãs gostam de se sentir superiores por assistirem Rick & Morty devido ao fato de a ciência ser tão importante na história. Mas não é bem assim. A verdade é que a ciência da série é baseada quase toda em… ficção científica!

“[A ciência do programa] é qualquer ciência que nós aprendemos com ficção científica, basicamente”, disse Don Harmon em uma entrevista. “Todo mundo na sala de roteiristas é um grande fã do sci-fi e da fantasia com os quais crescemos, então nós não realmente pesquisamos nada – e dá pra perceber!”.

17) “Wubba lubba dub dub” foi uma tentativa falha de imitar os Três Patetas

Justin Roiland disse que o famoso bordão de Rick, “wubba lubba dub dub” é uma sátira a bordões estúpidos da ficção. “Nós achamos que bordões são estúpidos, a coisa mais idiota do mundo. Nunca desejamos que esse termo virasse um bordão, mas nós originalmente escrevemos essa cena simulando Larry ou Moe dos Três Patetas, ‘wub wub wub wub’. E Rick ia cair no chão e fazer aquela coisa circular que eles fazem”, disse ele em uma entrevista.

“Na gravação, isso foi uma emenda de última hora e eu não li, e eu não sabia para que diabos eu estava olhando e fiz errado. Eu totalmente desrespeitei o que estava escrito. O que acontece muitas vezes no programa, e eu acho que é parte da mágica, é que, se há um erro estranho que funciona de um jeito inesperado, nós usamos. É interessante ouvir coisas que são reais. Nós simplesmente achamos que seria hilário se nós usássemos isso como bordão. Era meio que uma piada interna dos roteiristas. E aí todo mundo achou divertido, mas depois você descobre que significa que ele está com uma grande dor [risos].”

Roiland se refere, é claro, ao último episódio da primeira temporada, Riksy Business, em que o Pessoa Pássaro revela a Morty que, em sua língua nativa, “wubba lubba dub dub” significa “eu estou com uma grande dor”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alex Lopes

    Faltou dizer que o homem pássaro foi inspirado em um personagem de Buck Rogers

    Curtir