Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como a Muralha da China foi construída?

Obra chegou a ter mais de 21 mil quilômetros

Por Tiago Cordeiro Atualizado em 14 fev 2020, 17h36 - Publicado em 27 jun 2017, 13h26

Ilustra Kiko Mauriz
Edição Felipe van Deursen

Kiko Mauriz/Mundo Estranho

1. OBRA DEMORADA
A construção demorou muito. Em 211 a.C., o senhor feudal Qin unificou parte do que hoje é a China e se tornou imperador. Na época, as fronteiras do país tinham dezenas de pequenos muros de barro, areia molhada ou madeira, levantados desde o século 7 a.C. Para reforçar a proteção contra as tribos do norte, Qin resolveu unir esses muros

2. DE PEDRA EM PEDRA
A partir de então, a muralha foi ampliada, atingindo o auge no reinado da dinastia Ming (1368-1644). O processo de construção evoluiu: após quebrar pedras com picaretas no pé das montanhas, os trabalhadores (em geral, camponeses da região) as levavam sobre o lombo de cabras até a obra. Ali, colocavam as pedras e os tijolos de barro em bacias de bambu. Para erguerem as peças, usavam cordas e roldanas

3. ROTA SEGURA
A Rota da Seda, caminho usado por comerciantes do Ocidente e do Oriente, passava pela área coberta pela muralha. Com o tempo, a construção, que tinha função estritamente militar, assimilou alguns serviços da rota, como o uso de correios. Mensageiros percorriam a muralha de ponta a ponta e desciam nos vilarejos próximos a construções de apoio

  • Já ouviu falar que milhares de cadáveres foram misturados às pedras para reforçar a obra? Isso é lenda

4. CAMINHO SUAVE
Durante o período Ming, a muralha chegou a ser moradia de até 1 milhão de guardas, que caminhavam entre os postos de observação, preservando as fronteiras e observando a possível movimentação de inimigos, especialmente os mongóis. Nessa fase, a muralha já era uma espécie de fortaleza linear

Continua após a publicidade

VIDA CHATA
Os guardas faziam rondas de madrugada e, à luz do dia, circulavam entre os postos de observação, enquanto os colegas preparavam alimentos ou faziam a manutenção das armas. A comunicação entre as torres era feita por meio de sinais de fumaça. As fogueiras eram acendidas com palha misturada com fezes de soldados e animais de carga

ATRAÇÃO TURÍSTICA
A muralha perdeu utilidade militar quando a China expandiu suas fronteiras. No século 19, ela começou a atrair turistas. Partes da obra que ficam em regiões distantes estão desgastadas e em decadência. Além do tempo, a culpa também é do ex-ditador Mao Tsé-tung, que nos anos 1960 e 1970 retirou pedaços inteiros do muro para construir casas

  •  Outra lenda: aquele papo de que para ver a Muralha da Lua

 

  • Relacionadas

JÁ QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI…
Acreditamos que a experiência visual dessa e de outras matérias do tipo é mais completa e prazerosa na revista. Assine a MUNDO ESTRANHO, receba na sua casa e comprove!

FONTES livros The Great Wall of China: From History to Myth, de Arthur Waldron, e The Great Wall: China against the World, de Julia Lovell

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês