Clique e assine com até 75% de desconto

Como é interpretado um mapa do tempo?

É preciso muita atenção, experiência e um pouco de intuição para interpretar os sinais gráficos que indicam diferentes fenômenos naturais

Por Thiago Araújo Atualizado em 14 fev 2020, 17h39 - Publicado em 25 ago 2016, 18h47

ILUSTRA Marcos Rufino

É preciso muita atenção, experiência e um pouco de intuição para interpretar os sinais gráficos que indicam diferentes fenômenos naturais. Na meteorologia, esse tipo de documento é chamado de carta sinótica (synoptikos, em grego, significa proporcionar uma visão geral do todo). Ela pode reunir dados de diferentes fontes, como a direção dos ventos e os movimentos das diferentes frentes, bem como áreas de alta e baixa pressão. O site tempo.cptec.inpe.br fornece cartas sinóticas do Brasil em tempo real para qualquer internauta.

 

1) TRILHO DOS VENTOS

As linhas isóbaras mostram áreas com a mesma pressão atmosférica – o famoso “peso do ar”, medido em hectopascais (hPa). O nome vem do grego: “iso” quer dizer igual, e “barros”, peso. É paralelamente a essas riscas que os ventos e as frentes se movimentam. E, se você notar linhas isóbaras muito próximas, pode ter certeza: naquela região, os ventos são mais fortes.

 

2) VOU BOTAR MUITA PRESSÃO

Às vezes, as isóbaras delimitam uma área, marcada com um “A” azul. São os centros de alta pressão, conhecidos como anticiclones. Neles, a pressão é maior do que a média ao nível do mar (1.013 hPa). Essa diferença faz o ar frio descer e esquentar, impedindo a formação de nuvens. No verão, esses centros indicam tempo quente e seco. No inverno, céu bem limpo.

+ Como é feita a previsão do tempo?

+ O que é o zero absoluto?

 

3) LÁ VEM CHUVA

Já a letra B vermelha define os centros de baixa pressão, chamados de ciclones. Seu comportamento é o inverso do A: a pressão abaixo de 1.013 hPa causa instabilidades, permitindo que o ar quente suba até grandes altitudes e esfrie, formando muitas nuvens. Pode ser sinal de chuva, tempestades e até neve em algumas regiões.

 

4) CONCENTRAÇÃO DA MASSA

Também medida em hectopascais, as linhas tracejadas azuis e vermelhas indicam a altitude geopotencial de uma região. Traduzindo: elas mostram a que altura acima do nível do mar uma massa de ar se encontra a certo nível de pressão. Acima de 540 hPa elas mostram a presença de massas quentes, e abaixo desse valor as frias.

Continua após a publicidade

 

5) CHUVA-RELÂMPAGO

A frente quente é marcada com linhas vermelhas com semicírculos. Nestas zonas, uma massa de ar quente colide e se sobrepõe a uma massa de ar frio. Sim, elas aumentam a temperatura, mas não são garantia de tempobom para ir à praia. Elas também aumentam a umidade e podem causar as “chuvas de verão”, aquelas mais rápidas e intensas.

 

+ O que é chuva invisível?

+ O que molha mais: correr ou andar debaixo da chuva?

 

6) ESTRAGA-PRAZER

A linha azul com triângulos sinaliza uma frente fria, ou seja, uma zona de colisão em que uma massa de ar frio se sobrepõe a uma massa de ar quente. Por onde passa, essa frente faz cair as temperaturas e traz chuvas.

 

7) FORMANDO CASAIS

As frentes (frias ou quentes), de que tanto ouvimos falar na previsão dotempo, são formadas pelo encontro de duas massas: uma de ar quente, outra de ar frio. Muitas vezes, essa fusão acontece nos cavados, áreas alongadas de baixa pressão. São simbolizadas por um tracejado amarelo grosso e representam grande instabilidade no tempo.

 

8) COMISSÃO DE FRENTE

A frente oclusa rola quando uma frente fria avança sobre a quente, que é naturalmente mais lenta. Existem dois tipos. Na oclusão fria, o ar na dianteira da frente quente é menos frio que o da frente fria. Indício de temposeco por aí! Já a oclusão quente é o inverso: o ar na dianteira da frente quente é mais frio que o da frente fria. Sinal de que pode chover!

FONTES Sites Inpe, MetOffice (Inglaterra), Weather.gov, NOAA (EUA)

Continua após a publicidade
Publicidade