Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Como é o Distrito da Luz Vermelha, em Amsterdã?

Conheça os detalhes de um dos pontos turísticos mais famosos da Holanda.

Por Julia Moioli Atualizado em 4 jul 2018, 20h14 - Publicado em 22 dez 2016, 12h50

Ilustra Felipe Cachopa
Edição Felipe van Deursen

 

Bem agitado. O De Wallen, como é chamado, tem cerca de 290 janelas, onde prostitutas oferecem seus serviços 22 horas por dia. O porto que havia na região e a consequente circulação de pessoas foram um chamariz para essas profissionais, e nem a Reforma Protestante, no século 16, nem uma série de proibições eliminaram a presença delas. Com o tempo, as prostitutas ganharam direitos, mas ainda sofrem ameaças. Nos anos 2000, o governo reduziu as janelas para combater o tráfico de mulheres. O motivo é questionado por muita gente, que acha que a ideia, no fundo, é gentrificar o bairro, ou seja, torná-lo mais nobre e atrair um novo público, mais rico.

Bairro da Luz Vermelha
Felipe Cachopa

Tá na lei
Desde 2000, a prostituição nas janelas (e em bordéis, casas privadas e agências) é legal, diferentemente da prostituição de rua. Como autônomas, elas devem se registrar na Câmara de Comércio e, desde 2011, pagar imposto de renda. Além disso, têm direito a dois meses de férias

Direitos e deveres
Os donos das janelas alugam o espaço por turnos de no máximo 11 horas por até 120 euros e devem garantir segurança e higiene. As prostitutas pagam por roupa de cama, toalhas, gás, eletricidade, água, limpeza e acessórios sexuais. Elas podem definir como quiser seu horário de trabalho e os preços que cobram (em média, uma sessão de 15 minutos sai por 50 euros)

Que zona!
Nem só de prostituição vive o bairro. Há casas de shows de sexo, coffee shops que vendem drogas como haxixe e maconha (legalizadas por lá) e sex shops, além de museus, bares, restaurantes e a igreja mais antiga da cidade

BIG BROTHER
Para garantir a segurança do bairro, a polícia usa um sistema de câmeras e faz patrulhas frequentes. Além disso, com a ajuda de funcionários públicos, inspeciona cada janela pelo menos oito vezes por ano. Os bordéis também possuem sistemas próprios de segurança com botões de pânico, que são acionados pelas prostitutas em caso de emergência

 

 

Bairro da Luz Vermelha

MALUQUICE MAPEADA
Pontos famosos do Bairro da Luz Vermelha

Continua após a publicidade

Oude Kerk Construção mais velha da cidade, a igreja antiga é hoje um museu e organiza exposições sobre diversos temas

Het Gulden Vlies (Condomerie) Famosa loja de camisinhas que vende preservativos de todas as formas, cores, tamanhos e sabores

Spanish corner Tem esse nome por concentrar as prostitutas da América do Sul

Museu da Maconha e do Haxixe Conta a história da planta, fala de uso medicinal e de cultivo

Casa Rosso Ponto tradicional da cidade, tem shows de striptease, sexo explícito e sadomasoquismo

Centro de Informação para Prostitutas Coordenado por uma ex-profissional, oferece informações para turistas e ajuda colegas a resolver problemas de trabalho

Bananenbar Mulheres fazem shows de sexo com bananas

Erotic Museum Há exposições de brinquedos sexuais e até de desenhos eróticos feitos por John Lennon

DUAS ÚLTIMAS CURIOSIDADES:
– Amsterdã tem outras duas áreas com prostituição em janelas: o canal Singel e a rua Ruysdaelkade
– Nem todas as profissionais usam luz vermelha. Em geral, as janelas das transexuais têm lâmpadas azuis

VEJA TAMBÉM: 

+ Por que a Holanda também é chamada de Países Baixos? 
+ Como foi a ocupação holandesa no Brasil? 
+ Debate: a prostituição deveria ser regulamentada? 
+ Como era o sexo na Antiguidade? 

FONTES Amsterdam Red Light District Tours, Behind the Red Light District, Iamsterdam e Gemeente Amsterdam

Continua após a publicidade
Publicidade