Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como eram os sacrifícios humanos realizados pelos celtas?

Em um ritual macabro, os celtas queimavam criminosos para agradar deuses das águas e da agricultura

Por Tiago Cordeiro Atualizado em 4 jul 2018, 20h19 - Publicado em 4 Maio 2016, 12h38

ILUSTRA Ícaro Yuji

Em um ritual macabro, os celtas queimavam criminosos para agradar deuses das águas e da agricultura

Os celtas, que ocuparam parte da Europa entre os séculos 4 a.C. a 1 a.C, tinham vários tipos de sacrifícios. Com frequência, vítimas eram enforcadas para o deus Esus, queimadas para Taranis ou afogadas para Teutates. Mas o método mais famoso, ainda que não haja certeza absoluta de seu uso, era o espantalho de fogo: pessoas eram incendiadas em figuras feitas de madeira e palha, com pelo menos 4 m de altura.

Moradores locais se apresentavam para ajudar na construção da estátua. Os sacerdotes celtas conhecidos como druidas conduziam o evento. Mas a honra de atear fogo no peito da imagem (usando uma forquilha com um chumaço de algodão em chamas) cabia ao próprio rei. Em volta, a comunidade entoava cânticos para o deus homenageado, possivelmente Arausio, que cuidava das águas.

O ritual servia para agradecer a colheita do ano anterior e pedir sucesso na próxima. Por isso, era realizado em campos abertos, na entrada da área de plantio. Mas também servia como condenação: em geral, as vítimas eram ladrões ou outros criminosos. Eles ficavam presos em gaiolas de madeira, construídas dentro do espantalho.

Por muito tempo, não se sabia ao certo se esse povo praticava sacrifícios. Isso porque o relato mais famoso de um desses eventos foi feito pelo imperador romano Júlio Cesar, inimigo dos celtas. Mas ossadas encontradas na França e na Grã-Bretanha provaram ao menos outro tipo de ritual: druidas matavam vítimas com espadas e, inspirados em seus espasmos, adivinhavam o futuro.

Continua após a publicidade

LEIA MAIS

Quem foram os druidas?

Quais são os principais deuses celtas?

O que são duendes?

Como era o ritual de um funeral viking?

CONSULTORIA Walter Burkert, professor de antiguidade clássica da Universidade de Zurique, Patricia Smith, antropóloga da Hebrew University, Miranda Aldhouse-Green, arqueóloga e professora da Universidade Cardiff, Jonathan Tubb, arqueólogo do British Museum, Jan Bremmer, professor de ciência da religião da Universidade de Groningen

FONTES Livros City of Sacrifice, de David Carrasco, Dying for the Gods, de Miranda Green Sutton, The Highest Altar, de Patrick Tierney, e Japanese Death Poems, de Yoel Hoffmann, e filme O Homem de Palha, de Robin Hardy

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês