Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como foi extinto o pássaro dodô?

O trágico fim do redondo e dócil animalzinho, que foi declarado oficialmente extinto em 1681.

Por Redação Mundo Estranho Atualizado em 29 ago 2019, 18h32 - Publicado em 18 abr 2011, 18h54

Esse pássaro simpático e gorducho desapareceu no século 17 com a chegada dos colonizadores ao seu hábitat, a ilha Maurício, a 1 900 quilômetros da costa africana, no oceano Índico. Pouco maior que um peru e pesando cerca de 23 quilos, o dodô era um pombo gigante da família Raphidae. Como tinha asas curtas e frágeis, não conseguia voar. Nem precisava. “A ave era muito mansa e inofensiva, porque a ilha não tinha nenhum mamífero predador”, afirma o biólogo Manuel Martins, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar).

  • A vida boa do bicho durou só até os europeus aportarem em Maurício. Primeiro foram os portugueses, em 1507. Mas a ação mais cruel foi a dos holandeses, que colonizaram o lugar a partir de 1598. Com a pouca alimentação nos navios, os marinheiros desembarcavam famintos e logo elegeram o dócil – e saboroso – dodô como seu prato preferido. “As aves foram mortas aos milhares, até mesmo a pauladas”, diz Manuel.

    Para piorar, animais como cães, gatos e ratos trazidos pelas caravelas atacavam os ovos nos ninhos, escondidos nos recantos do lugar. Com toda a matança, a espécie foi sumindo aos poucos. Em 1681, menos de 100 anos depois da chegada dos holandeses à ilha, o dodô foi declarado oficialmente extinto. Hoje, tudo o que resta do animal são esqueletos em museus na Europa, nos Estados Unidos e também em Maurício.

    Publicidade