Clique e assine a partir de 8,90/mês

Como funciona o impostômetro?

Entenda como funciona a máquina que calcula a exorbitante quantidade de taxas que sobrecarregam a economia brasileira

Por Lilian Rambaldi - Atualizado em 14 fev 2020, 17h45 - Publicado em 24 Maio 2013, 15h57

MUNDOESTRANHO-134-42-620

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

PERGUNTA Carlos Renato Napoleone, Agudos, SP

É uma rede automatizada recebe os dados de todo o Brasil e informa os valores em um painel. Criado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, o mecanismo computa os tributos federais, estaduais e municipais e é atualizado em tempo real no endereço www.impostometro.com.br.

Continua após a publicidade

O que mais pesa na conta é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), com 20,09% do total. “O ICMS incide em praticamente tudo que as pessoas consomem”, explica Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo, que mantém um painel da contagem do Impostômetro no centro da capital paulista. Em seguida, vêm a contribuição para o INSS (17,26%) e o Imposto de Renda (16,82%).

O objetivo dos criadores é mostrar quanto o país recolhe em tributos para que ele possa cobrar do governo a melhor utilização do dinheiro.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade


COMO ELE FUNCIONA

1) Diversos órgãos do governo, como a Receita Federal, enviam os dados para o sistema do Impostômetro. Todas as fontes são oficiais, ou seja, nada de especulação. Entram na soma: impostos, taxas e contribuições, multas, juros e correção monetária.

2) Os dados usados são sempre um valor projetado, baseado nos impostos cobrados. O valor que é de fato arrecadado geralmente traz uma margem de diferença de 2 a 3,5%, para mais ou para menos. Quando os dados reais são divulgados, o total é corrigido.

3) Todos os valores projetados são enviados e somados antes do Réveillon. À meia-noite do dia 1º de janeiro, o painel é zerado e recomeça a contagem: a cada fração de segundo, é adicionada uma quantia do volume total que foi previsto.

4) Em um dia, a média de arrecadação é de R$ 3,91 bilhões. O Sudeste responde por 64,19% desse montante, o Sul, 13,44%, o Centro-Oeste, 10,48%, o Nordeste, 8,77%, e o Norte, 3,12%. Só para pagar impostos, o brasileiro trabalha 150 dias do ano.

Continua após a publicidade

5) Até 1 de novembro de 2017, a “calculadora” chegou a R$ 1,8 trilhão em impostos. Veja o que dá para pagar com esse valor:

  • 33 milhões de casas populares;
  • 4 bilhões de cestas básicas;
  • 3.200 aeroportos;
  • 69 milhões de carros populares;
  • 20 milhões de smart TVs de última geração com tela de 85 polegadas

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

FONTES Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), site do Impostômetro

CONSULTORIA Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade