Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como funciona um cigarro eletrônico?

Tecnologia polêmica ainda gera questionamentos entre cientistas.

Por Gabi Monteiro Atualizado em 4 jul 2018, 20h25 - Publicado em 9 dez 2016, 17h39

Pergunta do leitor Lucas Lorijola, São José do Rio Preto, SP
Ilustra Denis Freitas
Edição Felipe van Deursen

1. Quando o fumante dá a primeira tragada, o sensor eletrônico detecta o movimento de ar e envia a mensagem ao nebulizador

2. O nebulizador aquece gotículas de nicotina, que rapidamente se transformam em vapor para serem tragadas. Alguns tipos de cigarro eletrônico geram mais fumaça

3. A luz de LED é acionada instantaneamente. Em alguns modelos é necessário apertar um botão para tragar e desencadear todo o funcionamento

4. A fumaça não tem cheiro, pois o cigarro não queima tabaco e tem água na composição. Além disso, ela se dissipa mais rapidamente no ar

5. O cartucho pode ter nicotina e aromatizadores. Alguns são descartáveis, outros podem ser recarregados com fluido

 

Continua após a publicidade

cigarro_eletronico

Legalize já?
Tecnologia polêmica é proibida no Brasil

O cigarro eletrônico foi inventado pelo farmacêutico chinês Hon Lik, em 2003. A ideia era ajudar fumantes a largarem o cigarro convencional aos poucos. Só que não há comprovação científica de que ele ajude nisso – nem que seja menos nocivo à saúde. Especialistas temem que ele seja até uma porta de entrada para os não fumantes, já que produz uma fumaça sem odor e, às vezes, pode ter gostos aromáticos. Por isso, o cigarro eletrônico é proibido em dez países, inclusive no Brasil.

cigarro_eletronico2

* Entre jovens dos EUA no período 2011-2012

VEJA TAMBÉM:
+ Quais são os males que o cigarro provoca no corpo humano?  
+ Quais são as mais de 4,7 mil substâncias tóxicas do cigarro? 
+ Contando Ninguém Acredita: cor mais feia do mundo pode ajudar no combate ao cigarro

FONTES Sites drauziovarella.com.br e Queen Flavor

Continua após a publicidade

Publicidade
Mundo Estranho
Como funciona um cigarro eletrônico?
Tecnologia polêmica ainda gera questionamentos entre cientistas.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade