GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como os fabricantes criam fechaduras que só podem ser abertas por uma única chave?

É por causa da enorme variedade de combinações que os “dentes” das chaves permitem – é o que os chaveiros chamam de “segredo” da chave. Cada “segredo” corresponde, entre outros fatores, a uma altura específica de cada dente da chave e riscos laterais. Isso tudo misturado resulta em milhares de possibilidades de combinações – cada uma delas vai liberar apenas uma única fechadura, que possuirá pinos de segurança de um tamanho específico, destravados apenas pelos dentes da chave certa. Claro que esse sistema não é infalível: aquela história de abrir fechaduras com grampos, como nos filmes, pode acontecer, sim. Mas o candidato a arrombador precisa ter muita habilidade: o grampo deve ser colocado aos poucos, encostando em pino por pino e destravando cada um deles na fechadura. Outro problema ocorre quando a fechadura está gasta e os pinos de segurança já não funcionam direito. Nesse caso, várias chaves diferentes podem abrir a tranca. Por isso, vale trocar a fechadura de tempos em tempos.

Porta da esperança
Os dentes da chave têm alturas exatas para destravar os pinos da fechadura

1. A peça principal das fechaduras comuns é um cilindro que atravessa a madeira da porta. Dentro dos cilindros, há um sistema de pares de pinos verticais, de alturas variadas. Geralmente, uma fechadura tem entre quatro e sete pares de pinos. No nosso exemplo, são cinco pares

2. Quando a chave certa é colocada na porta (ao lado), os pinos de baixo se encaixam nos “dentes” da chave e se alinham com o cilindro da porta. Se a chave colocada for errada, o alinhamento não é perfeito e a chave pode até entrar, mas fica travada pelos pinos superiores

3. Com o alinhamento dos pinos, o cilindro é liberado. Ao girar a chave, um mecanismo simples de metal puxa a trava (aquele retângulo de metal que entra dentro da parede) para dentro e libera a entrada no ambiente