Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como podem as cobras engolir bichos maiores do que elas?

O corpo delas é feito especialmente para sofrer grandes adaptações de formato. “A pele é bastante elástica, as costelas são móveis e os ossos, altamente maleáveis”, afirma o biólogo especializado em répteis Otávio Marques, do Instituto Butantan, em São Paulo. As primeiras transformações ocorrem já no momento do bote. Em espécies como a jararaca e […]

Por Redação Mundo Estranho Atualizado em 4 jul 2018, 20h09 - Publicado em 18 abr 2011, 18h56

O corpo delas é feito especialmente para sofrer grandes adaptações de formato. “A pele é bastante elástica, as costelas são móveis e os ossos, altamente maleáveis”, afirma o biólogo especializado em répteis Otávio Marques, do Instituto Butantan, em São Paulo. As primeiras transformações ocorrem já no momento do bote. Em espécies como a jararaca e a cascavel, o ângulo de abertura da boca chega a 180º. “Assim os dentes ficam direcionados para a frente”, diz Otávio. Após abocanhar sua presa deformando temporariamente o próprio crânio, a cobra libera enzimas que digerem a maior parte do alimento. As sobras da generosa refeição, como pêlos, penas, escamas, unhas ou dentes, acabam eliminadas pelas fezes. Além de sua capacidade de abrir exageradamente a boca, as cobras que comem ovos têm outra particularidade: contam com uma vértebra especial que apresenta um pequeno prolongamento usado para quebrar o ovo. Depois que a clara e a gema são ingeridas, a casca é regurgitada pela serpente.

Abertura máxima
Crânio da cobra tem dispositivo especial para escancarar a boca

1 – Na cabeça das cobras existem dois pequenos ossos, o quadrado e o supratemporal, que ficam entre as partes superior e inferior do crânio. Quando a cobra está com a boca fechada, eles permanecem inclinados

2 – Na hora de abocanhar a presa, os ossos se estendem na vertical, um sobre o outro. Unidas apenas por uma membrana elástica, as mandíbulas não dificultam a abertura total da boca. Com essa adaptação, a cobra pode engolir presas mais largas que sua própria cabeça

Publicidade