Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como sobreviver a um apocalipse zumbi

Os mortos saíram das tumbas e tomaram as ruas? Nada de pânico! A ME ensina o passo a passo para impedir que seu cérebro vire ração de zumbi

Por Yuri Vasconcelos
Atualizado em 4 jul 2018, 20h18 - Publicado em 28 jun 2016, 18h46

1.

1

Não seja pego de surpresa! Como tudo indica que uma epidemia zumbi é inevitável em um futuro próximo, fique atento a telejornais e ao rádio. Mortes estranhas inexplicáveis? Ocorrências policiais envolvendo mordidas ou seres desfigurados? Sinal de que o caos já começou

2.

2

Continua após a publicidade

Confirmado o surto, não perca tempo. Antes de se enfurnar em um lugar seguro, corra ao supermercado e compre o máximo que puder de água engarrafada, comida em lata, pilhas, lanternas, remédios e algo que possa ser usado para defesa, como facões. Se você for maior de idade, compre armas de fogo

3.

3

A tendência é que a epidemia se alastre mais rapidamente nos centros urbanos, onde há mais vítimas em potencial. O melhor é fugir para um lugar isolado, como uma casa na montanha ou no campo. Se você não tem essa opção (ou se já for tarde demais), o jeito é se proteger em casa mesmo

Continua após a publicidade

4.

4

Uma vez entre quatro paredes, reforce janelas e faça barricada em todas as portas. Mas preserve um ponto de observação para vigiar os arredores. Não saia e não deixe ninguém entrar, mesmo que seja um parente ou conhecido. Lembre-se: qualquer pessoa mordida por um zumbi irá virar um!

5.

5

Além da cabeça fria, sua principal arma é a paciência. Cedo ou tarde, o surto chega ao fim, seja por intervenção das forças de segurança pública, seja pela longevidade limitada das criaturas. Racione a comida, fique de olho nas notícias, ache um jeito de ocupar o tempo e espere o pior passar

6.

6

Continua após a publicidade

Se, por qualquer motivo, você tiver que deixar o refúgio, preste muita atenção se há indícios de que eles estão por perto. Se der de cara com algum zumbi, lembre-se de que eles são lentos: sua melhor opção é sempre fugir. Procure áreas abertas – como eles atacam em bando, fica difícil encurralá-lo

7.

7

A melhor forma de despachar os mortos-vivos é estourando seus miolos. Mas não é todo mundo que acerta um tiro desses! Caso haja balas sobrando, mire primeiro nas pernas, para imobilizá-los, e, aí sim, desfira o tiro fatal no crânio. Certifique-se de que a criatura não representa mais perigo

Continua após a publicidade

8.

8

Você não tem arma de fogo? Melhor (elas são barulhentas!). Leve sempre consigo um facão ou machado. Você vai ter que chegar um pouco mais perto para decapitá-los, mas pelo menos nunca vai correr o risco de ficar sem munição

A matemática está a favor deles

Estudo científico calcula chance de a humanidade sobreviver a um ataque de mortos-vivos

Cientistas das Universidades Carleton e de Ottawa, no Canadá, criaram uma fórmula matemática para calcular a progressão de uma epidemia de desmortos. Os cálculos são complexos demais para explicar, mas as consequências são assustadoramente palpáveis. A partir da primeira infecção, bastariam apenas três horas para que uma cidade de 500 mil habitantes tivesse mais zumbis do que gente sadia. “Se a escala aumentasse, o resultado seria o Juízo Final: um surto de zumbis provocaria o colapso da civilização, com todos os humanos infectados ou mortos”, concluem, num tom nada animador

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.