GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

É verdade que, além de gato, existe cabra e coelho angorá?

coelho coelho

coelho (/)

Sim. Os três são originários da antiga capital da Turquia, Angorá, hoje conhecida como Ancara. E os três têm pelagem branca e farta, resultado de uma mutação no gene FGF5, responsável pelo crescimento das células capilares. Inicialmente, essa variação ocorria em poucos indivíduos. Mas, como esse tipo de pelo lhes dava vantagem para encarar o frio e se camuflar na neve, eles sobreviveram a várias gerações de seleção natural e acabaram se tornando a maioria na região. Esse processo também pode ter sofrido interferência humana: para se aproveitar da pelagem do animal, o homem teria garantido sua perpetuação por meio de cruzamentos controlados. Da Turquia, é provável que a cabra tenha sido levada para o resto da Europa pela Coroa Espanhola, e o coelho ganhou versões francesa, alemã e inglesa.

Felino famoso

Mingau, o gato de estimação da personagem Magali, da Turma da Mônica, é um angorá

Já existem organizações nos EUA dedicadas apenas a criar cabras angorás coloridas. Os tons principais são preto, cinza, marrom e vermelho

Gatos dessa raça são considerados uma boa opção de mascote. Eles são carinhosos e inteligentes – mas não gostam de ficar sozinhos. Costumam viver entre 12 e 18 anos

Hoje já existem muitas raças de coelho angorá, como o angorá inglês, o francês e o alemão. Todos peludos e gigantes

Consultoria Armando Luís Serra, especialista em zoologia pela USP, Tatiana Teixeira Torres, pesquisadora em evolução molecular da USP, e Willian Barberino, biólogo e pesquisador em genética da Unesp (São José do Rio Preto)

Coitadinhos!

Vídeo revela como é a extração da pele dos coelhos

No ano passado, um vídeo do grupo Peta (sigla em inglês para Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais) chocou a opinião pública ao mostrar o processo de extração da pelagem de coelhos angorás na China. Os artesãos realizam o trabalho à mão, com força, enquanto o bicho ainda está vivo (e gritando de dor). Ainda sangrando, o animal é devolvido à sua jaula, onde terá três meses para se recuperar – e então o processo é repetido. Assista ao vídeo, se tiver coragem: bit.ly/coelhoangora