GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

É verdade que Sid Vicious matou Nancy Spungen?

Até hoje não se sabe quem foi o autor do crime

Sid Vicious

ILUSTRA Aluísio Cervelle

1. Mais de 35 anos após o crime, em 12 de outubro de 1978, ainda não há certeza sobre quem matou a groupie Nancy Spungen. Para a polícia de Nova York, foi seu namorado, o ex-baixista dos Sex Pistols, Sid Vicious. Mas o caso é cercado de mistério

2. Desde que os Sex Pistols haviam acabado, em janeiro de 1978, Sid Vicious estava morando em Nova York com a namorada, Nancy Spungen – os dois estavam juntos há um ano. Eles viviam no quarto 100 do Chelsea Hotel, uma espelunca barata que abrigava viciados em drogas, boêmios, marginais e outras figuras pouco nobres

3. Sid e Nancy eram viciados em drogas, especialmente heroína. Na época do crime, também estavam consumindo muito Tuinal, um remédio antidepressivo. O quarto do casal era muito frequentado por amigos dos dois, que também faziam parte do cenário punk. A dupla tinha bastante dinheiro na época – fruto de shows de Sid no clube Max’s Kansas City

4. Na madrugada da morte, houve uma festa para cerca de dez pessoas. Testemunhas afirmam que Sid estava estirado na cama, dopado de Tuinal, enquanto Nancy fazia sala aos convidados (o laudo do hospital confirma que Sid tinha alta dose da droga no sangue). O último convidado no apartamento, segundo testemunha, teria sido o traficante que vendeu Tuinal ao casal

5. Ninguém sabe exatamente o que aconteceu nos momentos em que os dois ficaram sozinhos no hotel. O relatório da polícia mostra que Sid, ainda no local do crime, deu declarações contraditórias. Primeiro ele disse não saber o que aconteceu e que não matou Nancy, pois passou a noite dormindo. Ele então confessou o assassinato dizendo que os dois brigaram e que ele a esfaqueou. Por último, ele disse que foi um acidente. Na cadeia, voltou a confessar

6. Em um de seus depoimentos, o músico disse que havia acordado, ido ao banheiro e encontrado Nancy ainda viva e respirando. Após limpar o sangue dela, ele havia ido a uma farmácia comprar metadona, outro remédio em que estava viciado. Quando voltou, Sid percebeu que Nancy estava morta e chamou a polícia

7. Às 10h45, a polícia e uma ambulância chegaram ao hotel. Eles descobriram o cadáver de Nancy no banheiro, agachado junto à pia. Havia uma faca próxima ao corpo – mas não era a usada no crime, uma Jaguar K-II, que foi limpa e deixada em cima de uma mala no apartamento. A causa da morte foi hemorragia interna e externa, causada por uma facada no abdômen. Sid foi acusado por homicídio em segundo grau

8. Sid morreu de overdose poucos meses depois, em 2 de fevereiro de 1979. Com sua morte, a polícia encerrou o caso de Nancy, considerando ele o assassino. Mas sua “culpa” é questionada. Fatos suspeitos: 1) Ele estava muito drogado para matar, 2) testemunhas-chave não foram ouvidas, 3) seis digitais foram encontradas no apartamento, e 4) a falta de digitais na arma do crime não foi investigada (por que Sid limparia a arma se não se preocupou em esconder o corpo?)

  •  Após a morte de Sid, sua mãe achou um bilhete que dizia: “Nós [eu e Nancy] tínhamos um pacto de morte”

9. O documentário Who Killed Nancy, de 2009, sugere que um homem conhecido como Michael, que estava sempre no hotel e traficava drogas para o casal, teria sido o assassino. Por frequentar o quarto, ele sabia que a dupla tinha muito dinheiro. Após o crime, porém, não havia dinheiro no quarto. E mais: Michael teria dado a notícia da prisão de Sid a amigos sorrindo. Ele nunca mais foi achado

  •  A teoria do documentário: Michael tentou roubar o apê, foi confrontado por Nancy, matou-a e depois sumiu com a grana
Veja também
  • query_builder
  • query_builder
  • query_builder
  • query_builder

FONTES Documentário Who Killed Nancy, de Alan G. Parker; livro Please Kill Me, de Less McNeil e Gillian McCain; Soho Weekly News, Daily Mail e The Guardian

Newsletter Conteúdo exclusivo para você